quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

POSTAGEM ESPECIAL SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS

Quem acessa o blog com frequência deve ter notado o esforço para atualizar as idas e vindas da discussão sobre cotas nos Estado do Sul, mais especificamente no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Fica difícil "disputar" com a grande mídia (jornais e TV), tendo em vista que elas tem mais recursos e pessoal para correr atrás das informações, além de produzir fatos e interpretações. Não é demais lembrar também que tudo que é postado ou indicado aqui é feito de graça e de forma voluntariosa, junta hobby com militância.
Por tudo isso estamos propondo qeu está postagem não seja fixa, mas mudada constantemente com informações sobre as ações afirmativas que possam ajudar a quem quer se capacitar para ajudar na sua defesa.

Teremos na esquerda uma logo que indicará esta postagem intitulada "Especial sobre Ação Afirmativas nas unviersidades", portanto é só clicar e ficar atualizado com diversos links e informes, além de análise de conjuntura.
Inicialmente abaixo temos links para todas as leis estaduais que estabeleceram políticas com legendas indicado o alvo.

Legenda: (EP) Escola Pública, (NE) Negros, (IN) Indigena, (DE) Deficiente, (QL) Quilombola

Lei Estadual 2894/04 do Amazonas
(EP) (IN)
Lei Estadual 14.832/04 de Goías
(EP) (NE) (IN) (DF)
Lei Estadual 2.605/03 do Mato Grosso do Sul
(NE)
Lei Estadual de Minas Gerais (link fora do ar)
(NE) (EP) (IN) (DE)
Lei Estadual 14995 do Paraná
(IN)
Lei Estadual 4151/03 do Rio de Janeiro
(NE) (PU) (IN) (DE)

DESTAQUE DA SEMANA E EXPLICAÇÕES SOBRE A POSTAGEM

Atrasamos para eleger um novo destaque da semana diferente do objetivo inicial, que era disponibilizar cinco poemas do CD "Quilombo de palavras", do Cuti e Carlos Assunção, mas ainda não conseguimos uma rádio on line apropriada (e de graça) para colocarmos. Os poemas e as interpretações são maravilhosas... bom fica pra uma outra vez.

O CD "Workshop: A defesa legal das ações afirmativas" foi uma boa escolha já que as ações afirmativas tem sido atacadas intensamente nas últimas semanas. Este foi um evento ocorrido nos dias 16 e 17 de abril de 2007, no hotel novo mundo, Rio de Janeiro. Foi uma articulação do Iara, Nirema/Puc-rio, Consulado Geral dos EUA, Fundação Ford e o Centro Cultural de Justiça Federal. Ele tem vários textos que relatam e analisam como foi a implementação das ações afirmativas nos Eua, portanto pode nos ajudar a pensar um pouco a caminhada desta política no Brasil.

Bom proveito e esperamos que sirva para militância que quer defender as ações afirmativas.


Para não esquecermos como foi a postagem anterior segue abaixo os vídeos retiradoss do canal do youtube teimosia





PROGRAMA PARA FAZER CALENDÁRIOS ON LINE

Retirado do Blog baixebr. Estamos testando o programa para fazermos um calendário dentro do nosso Blog
CoffeeCup Web Calendar 4.1 - Faça seus próprios Calendários

Agora você pode adicionar um calendário em flash a seu Website e destacar seus eventos, reuniões ou feriados. Adicione descrições de seus dias especiais e os tempos e aparecerão quando alguém clicar em uma data. Testado e aprovado!Nenhuma experiência de HTML é requerida, usa simplesmente um wizard para criar seu calendário. Customize as cores, cada tipo de dia em seu calendário. Você pode também usar imagens por datas e ter eventos múltiplos. Nunca foi tão fácil ter seu próprio calendário em seu Website!
Tamanho: 8.7MB
Idioma: Inglês
Hospedagem: Rapidshare - Easyshare

TUDO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS SABER SOBRE HD

Dica retirada do blog Os Sem Banda Larga
Se você quer aprender sobre manutenção de computadores tem que saber bastante sobre HD, pois vão ser bem freqüentes os problemas com esse dispositivo. Então para ficar por dentro de: formatação, recuperação de arquivos apagados, gravação de MBR, formatação de baixo nível e todo tipo de abacaxi que possa aparecer, recomendo essa apostila: Tudo sobre HD que além de está em uma linguagem bem fácil mostra passo a passo como resolver os principais problemas no hard-disk.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

COMUNICADO OFICIAL DA UFSC E DISCUSSÕES EM COMUNIDADES DO ORKUT

Saíu um comunidado da UFSC dizendo o seguinte:

30-01-2008 17:06:02 - Esclarecimento à comunidade

Diante da repercussão na mídia da disponibilização do arquivo eletrônico contendo o desempenho e classificação dos candidatos do Vestibular UFSC 2008 em site de relacionamento Orkut, a Administração Central da Universidade vem a público informar que o referido arquivo não contém informações sigilosas, não representando desta forma prejuízo individual a qualquer candidato que realizou o vestibular desta Universidade.

Entretanto, a Administração está avaliando esse episódio, antecipando que não houve qualquer dano à integridade dos dados relativos ao Vestibular UFSC 2008.

Administração Central


Abaixo estamos postando alguns tópicos de comunidades no orkut falando do caso da UFSC. Para o link funcionar vc precisa ter uma conta no Orkut.

Vestibular UFSC 2008 (sou a Favor das cotas e dai!!!!)
Vestibular UFSC 2008 (Integridade dos dados relativos ao Vestibular UFSC)
Vestibular UFSC 2008 (Programa de Ações Afirmativas da UFSC)
Vestibular UFSC 2008 (Lista com a pontuaçao de todos vestibulandos.)
Vestibular UFSC 2008 (ainda nao tem a lista? dexa o email ae!)
Vestibular UFSC 2008 (Justiça Federal (Sobre as cotas)
Vestibular UFSC 2008 ( Sobre cotas raciais)
Vestibular UFSC 2008 (Os processos sobre cotas não vai dar em nada pq.)
Vestibular UFSC 2008 (Cotas na década de 70, 80 e 90...)
Sou contra cotas para negros
Contra as COTAS na UFRGS !

AVALIAÇÃO DO ADVOGADO HUMBERTO ADAMI SOBRE O CASO UFSC E OUTROS

Retirado da lista de discussão discriminacaoracial@yahoo.com.br
Está sendo postado aqui por ser considerações de uma pessoa que está militando nesta questão há algum tempo e que está atento ao debate nacional das ações afirmativas raciais no Brasil.

De: "Humberto Adami"
Data: Tue, 29 Jan 2008 15:31:38 -0200
Assunto: [discriminacaoracial] COTAS NO TJ/RJ - amicus curiae- suspensão no TJ


Prezado(a)s
Ao contrário de toda a celeuma produzida pelo Procurador da República, e o Juiz, em Santa Catarina, esfuziantemente, o cenário da ação afirmativa no Brasil segue bem tranqüilo, sob o comando do Supremo Tribunal Federal.
Não saiu na imprensa, não deu na rádio, não foi matéria de televisão; mas a ação denominada REPRESENTAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDA DE, requerida pelo Deputado Flávio Bolsonaro, para que Tribunal de Justiça do Rio julgue inconstitucional a Lei de Cotas do Estado do RJ, persiste SUSPENSA, por determinação do Relator tanto no STF quanto no TJ. A informação está ao fim deste texto.
A situação de Santa Catarina, e do Paraná, não diferem muito do Rio.
Idem no Pará.
Sempre a insitente nota de acirramento do conflito racial, que não se vê nas universidades que estão formando seus alunos cotistas.
Não se está acirrando o conflito racial no Brasil.
Está se lacerando o câncer do racismo no Brasil.
A meu juízo, a atitude do Relator no STF tem sido extremamente importante, pois tem permitido que as experiências se espalhem pelo País, já sendo 51 instituições em todo Brasil que implementam ação afirmativa, pela via de cotas para negros, ou outra forma. O número de 51 constou do estudo do LPP, recentemente.
A celeuma de Santa Catarina, estampada no jornais na última semana, faz parte do processo de avanço do sistema, e encontra pela frente um estado de grande predominância da imigração européia, que por certo está experimentando novos ventos, vindo de outros mares, que não os europeus.
A população afrodescendente de Santa Catarina é de 22%, se não me engano, embora todos as referências que encontremos no Estado sejam de outras etnias, com ênfase na colônia alemã.
O embate que ora se dá nos jornais, na Justiça, e outros foros da sociedade catarinense deve ser entendido com tranqüilidade e visão duradoura como parte de um processo nacional.
Já ocorreu no Rio, pioneiramente, em 2001 e 2003, bem como outras partes do País.
A notícia do processo no Tribunal do Rio,abaixo, é de que está suspensa ação local, em face da competência do STF.
AS entidades do Movimento Negro que participam do Amicus Curiae, tendo IPEAFRO e IARA à frente, podem ser vistas em
http://www.adami. adv.br/uerj07. asp , bem como, ainda, os 05 Terreiros de religião de matriz africana, que foram ao STF e TJ, como pessoas jurídicas que são, apoiar as cotas para negros na UERJ/UENF; e ainda, a Maçonaria do Rio de Janeiro através da GLMERJ - Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro. Eis a confirmação da suspensão do TJ/RJ:

Para ler o restante do email clique aqui.

UNVIERSIDADES PÚBLICAS ENFRENTAM BATALHAS JURÍDICAS SOBRE SISTEMA DE COTAS

Retirado do site do CONTEE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino).

A suspensão, pela Justiça Federal, do sistema de cotas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a vitória de uma aluna contra a Universidade Federal do Paraná (UFPR) reabriram o debate sobre a implantação de cotas sociais e raciais nas instituições de ensino superior do país. De acordo com a Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação, o sistema de cotas é aplicado atualmente por 39 instituições de ensino superior - 20 federais e 19 estaduais.
Em Santa Catarina, o sistema de cotas foi aplicado pela primeira vez no último vestibular, realizado no ano passado. A intenção da UFSC é reservar 30% das vagas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino fundamental e médio em escolas públicas, sendo que 10% são para alunos negros.
No dia 21 de janeiro, o juiz federal substituto Gustavo Dias de Barcellos suspendeu, por liminar, as cotas para negros e egressos de escolas públicas na universidade, que já recorreu da decisão. Agora, os alunos esperam um posicionamento do Ministério Público para saber se poderão se matricular pelo sistema de cotas ou se serão reclassificados na ordem geral dos aprovados, conforme determinou a Justiça.
De acordo com Gustavo Goedert, diretor da Secretaria da 4ª Vara Federal de Florianópolis, o que vale neste momento é a decisão liminar do juiz Gustavo Dias de Barcellos, que suspende o sistema de cotas na UFSC. Mas, segundo o diretor, o recurso da universidade deve ser julgado pela Justiça Federal antes da abertura das matrículas, programadas para os dias 14 e 15 de fevereiro. .
O presidente da Comissão Permanente de Vestibular da UFSC, Edemir Costa, diz que a entidade vai buscar até o último recurso a sua autonomia. “Entendemos que a decisão está ferindo a autonomia da universidade. A própria Constituição prevê autonomia das universidade, tanto administrativa quanto didático-pedagógica”, explica.
Preocupado com a suspensão das cotas, o estudante Rafael Beppler criou uma comunidade em um site de relacionamentos para debater a questão. Ele não passou no último vestibular, mas, como foi aluno de escola pública, pretende disputar no próximo ano uma vaga no curso de medicina pelo sistema de cotas.
Para ele, as universidades públicas não conseguem capacitar os alunos para disputar uma vaga na universidade com estudantes de escolas particulares. “As universidades federais deveriam ser destinadas para quem não tem condições de pagar um curso superior, mas hoje em dia isso reverteu um pouco. Quem consegue passar em uma universidade federal é quem consegue pagar ou um bom cursinho, ou uma boa escola particular”, argumenta.
A estudante de Direito paranaense Elis Wendpap pensa diferente. Para ela, todos são iguais perante a lei e deveriam ser avaliados pelo mérito. Recentemente, a estudante obteve na Justiça sentença favorável em uma ação movida em 2005 contra a Universidade Federal do Paraná, na qual questionava a autonomia da instituição para estabelecer cotas. A estudante argumenta que se não houvesse o sistema de cotas, ela teria sido aprovada no vestibular.
“Essa é uma decisão que caberia ao Congresso Nacional tomar. Todos são iguais, todos têm os mesmos direitos, e o critério para entrar numa universidade é o mérito. Se algo além disso vai ser estipulado, não cabe às universidades por conta decidirem. É uma decisão que afeta a sociedade inteira, então só o Congresso Nacional teria essa competência”, afirma a estudante.
A procuradora da Universidade Federal do Paraná, Dora Lúcia de Lima Bertulio, diz que a instituição já recorreu da sentença, que será definida pelo Tribunal Regional Federal. “A aluna não passou no vestibular, ela está querendo ter passado”, diz a procuradora. As cotas sociais e raciais existem desde 2005 na UFPR. São 20% para egressos de escolas públicas e 20% para alunos negros.
Para Alexandro Reis, subsecretário de Políticas de Ações Afirmativas da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), é “lamentável” que as decisões sobre as cotas universitárias estejam sendo tomadas em âmbito judicial. “São um retrocesso muito grande as decisões que estão sendo tomadas à revelia de um processo maduro, discutido, de promoção da igualdade racial no ensino superior do Brasil, afirma.
No Congresso Nacional, um projeto de lei de 1999 reserva metade das vagas das universidades públicas para preenchimento com base no rendimento escolar dos alunos durante o ensino médio. A proposta ainda não foi analisada pelos parlamentares.

Fonte: Agência Brasil Publicado em 28/01/2008

RETIRANDO IMAGEM E DOC. WORD DE PDF

Os três programas abaixo são muito interessantes, pois possibilitam tirar imagens ou documentos Word de arquivos PDF, e transformar imagens em PDF.
Apesar dos programas trem sido achados pela internet o nome da empresa é Softinterface, clique aqui para ir para o site. Clique nas imagens para baixar cada progarama
Extração de imagens de PDF
Extração de Documentos Word de PDF
Converte imagens para PDF

SUPOSTA LISTA DO VESTIBULAR DA UFSC VAZA PARA A INTERNET

Retirado do jornal Estado de SP

terça-feira, 29 de janeiro de 2008, 18:31 Online
Comissão de vestibular da universidade diz que a lista, divulgada no orkut, não tem credibilidade
Rafael Carvalho - Agência Estado


FLORIANÓPOLIS - Uma lista extra-oficial com o suposto desempenho dos 30.652 candidatos que prestaram o vestibular 2008 da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi publicada na madrugada de terça-feira na internet. Segundo um funcionário do Núcleo de Processamento de Dados da UFSC, o site da universidade foi invadido por hackers na noite de segunda, mas ainda não se sabe se o episódio está ligado à divulgação da listagem.
O presidente da Comissão Permanente do Vestibular (Coperve), Edemir Costa, informou que não se pode dar credibilidade à lista, já que nem ele tem conhecimento de sua existência.
"Mas se for confirmado que a lista é verdadeira e que fomos invadidos por hackers, com certeza acionaremos a polícia", informa.
A listagem, que continuava online até o fim da tarde de terça, foi publicada de forma anônima na comunidade "Vestibular UFSC 2008" do site de relacionamentos Orkut. Ela segue os padrões de formatação dos documentos da universidade catarinense e traz, em ordem alfabética, o desempenho dos candidatos, inclusive informando se foram aprovados ou não - juntamente com os nomes daqueles que foram beneficiados pelo sistema de cotas raciais e sociais.
Todos os candidatos que tiveram acesso à suposta listagem confirmaram seus desempenhos, inclusive com comentários na comunidade do Orkut, o que traz ainda mais problemas para a UFSC.
A universidade ainda não recorreu da liminar que suspendeu o sistema de cotas. Como não conta mais com uma procuradoria própria, a UFSC encaminhou sua defesa à Advocacia Geral da União, que atualmente enfrenta uma greve de seus advogados públicos federais.

LISTA COM NOMES DE APROVADOS POR COTAS DA UFSC VAZ NA INTERNET

Retirado do site do Jornal Folha de São Paulo

29/01/2008 - 23h16
MATHEUS PICHONELLI

da Agência Folha

Em meio à polêmica da suspensão do sistema de cotas da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), determinada pela Justiça Federal, uma lista extra-oficial vazou na internet com o nome dos aprovados e a identificação dos cotistas por raça ou origem escolar.
O desempenho de cada um é detalhado no documento. A universidade confirmou nesta terça-feira que um hacker invadiu o sistema do Núcleo de Processamento de Dados da instituição e copiou o relatório, que não havia sido divulgado até então.
A lista oficial dos aprovados divulgada pela UFSC, no final de dezembro, não informava a classificação dos candidatos.
Ontem (28) à noite, um link para download foi colocado em uma comunidade sobre vestibular no Orkut por um internauta identificado apenas como "Vestibulando da UFSC".
Na lista que foi disponibilizada pelo usuário, havia o emblema da universidade e da Coperve (Comissão Permanente do Vestibular). São mais de 30 mil nomes em 806 páginas.
A Polícia Federal informou hoje que, se a universidade enviar um ofício à corporação informando sobre o problema, poderá fazer perícia no sistema e tentar identificar o suspeito. Caso ele seja condenado, poderá pegar até três anos de prisão.
A relação de cotistas normalmente não é divulgada pelas universidades para evitar que os aprovados pelo sistema sejam estigmatizados. Algumas, porém, como a Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), divulgam as informações.
O vazamento acirrou ainda mais os ânimos. No começo do mês, a Justiça Federal de Santa Catarina suspendeu as cotas na UFSC, a pedido do Ministério Público Federal.
Na decisão liminar, o juiz Gustavo Dias de Barcellos afirmou que o sistema fere o princípio de igualdade assegurado na Constituição e determinou que as vagas fossem preenchidas por ordem de classificação dos candidatos.
A UFSC, entretanto, recorreu e aguarda a manifestação do Tribunal Federal Regional. A matrícula está marcada para os dias 14 e 15 de fevereiro.
A UFSC havia reservado 20% de 4.095 vagas para egressos de escolas públicas e 10% para negros. A universidade tem 20 mil estudantes de graduação.
Após saber da lista, uma integrante da comunidade no Orkut comentou: "Agora que dá pra saber quem é cotista e quem não é, o preconceito vai comer solto lá dentro".
Em outra comunidade, de estudantes contrários ao sistema, um aluno afirmou que os negros não poderiam entrar na UFSC "de cabeça erguida tirando menos da metade da nota daquelas pessoas que ficaram de fora por causa das cotas".
Na UFSC, mais de 50 mandados de segurança foram concedidos pela Justiça a estudantes ou entidades contra o sistema.
Ontem, o subsecretário de Políticas de Ações Afirmativas da Secretaria da Igualdade Racial, Alexandro Reis, minimizou o fato. "As idéias de recrudescimento do ódio racial, perda de qualidade da educação superior e demais efeitos negativos previstos pelos opositores do sistema não aconteceram."
Por meio da assessoria de imprensa, o secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação, Ronaldo Mota, afirmou que não comentaria o fato.

Justiça suspende sistema de cotas da Universidade Federal de SC
51% das universidades estaduais adotam ações afirmativas

Especial
Leia o que já foi publicado sobre o sistema de cotas
Professor ensina segredos para vestibulandos não arrancarem os cabelos

ENQUETE DO DIÁRIO CATARINENSE SOBRE COTAS NA UFSC

Educação 25/01/2008 19h52min
Cotas: tribunal não recebeu apelação da UFSC

Mesmo com demora, reitor garante que há uma estratégia montada para a contestação

A apelação ao recurso que suspendeu o sistema de cotas para negros e egressos de escolas públicas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) ainda não foi protocolada no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que tem sede em Porto Alegre. O reitor Lúcio Botelho afirmou que, como a UFSC não tem mais procuradoria, a defesa da instituição está a cargo da Advocacia Geral da União (AGU). De acordo com ele, há uma "estratégia montada" para contestar a decisão judicial.

A assessoria de comunicação do TRF-4, que vem monitorando o processo por conta da grande repercussão, afirma que o tribunal ainda não recebeu a ação. A decisão que suspendeu o chamado Programa de Ações Afirmativas da UFSC foi tomada pelo juiz federal Gustavo Dias de Barcellos, que atua em Florianópolis, dia 18, ou seja, uma semana atrás.
Para os estudantes, o ideal seria que houvesse o julgamento da apelação antes dos dias 14 e 15 de fevereiro, quando ocorrem as matrículas para todos os cursos. Se isso não acontecer até lá, fica valendo a anulação do sistema de cotas imposta pela sentença do juiz Barcellos. No TRF-4, a derrubada da liminar é dada como certa, já que várias decisões em casos semelhantes têm sido pela constitucionalidade do sistema de reserva de vagas para afrodescendentes, indígenas e alunos de escolas públicas. Nos tribunais superiores, em Brasília, a tese da autonomia das universidades também é aceita pela maioria dos ministros.

DIÁRIO CATARINENSE

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

STJ ABRE INSCRIÇÕES PARA PROGRAMA DE ESTÁGIO DO SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS DA UNB

Superior Tribunal de Justiça ( STJ) abre novas inscrições de seu programa de estágio para estudantes oriundos do Sistema de Cotas para Negros no vestibular da Universidade de Brasília. As inscrições são acompanhadas pela Assessoria de Diversidade e Apoio aos Cotistas da Universidade de Brasília.

Há vagas para os cursos de DIREITO, EDUCAÇÃO FÍSICA, PSICOLOGIA e ADMINISTRAÇÃO, todas para os semestres iniciais. A vaga para estudante de Psicologia tem como pré-requisito a disciplina Ergonomia 1.

Os estudantes interessados devem entrar em contato com o STJ pelos telefones [61]3319-9492 ou [61]3319-9493 (falar com Inaê ou Marta), ou pelo e-mail (estagio@stj. gov.br), identificando- se como estudante cotista negro da UnB.

BRITISH COUNCIL SELECIONA JOVENS PARA PARTICIPAREM DE CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Retirado do site da UNESCO Brasil
22/01/2007

Brasília - O British Council procura jovens entre 14 e 18 anos, fluentes na língua inglesa e que tenham interesse pelo tema mudança climática para participar da seleção para o programa Embaixadores do Clima - módulo internacional.

Serão selecionados três jovens brasileiros para representar o Brasil no programa "International Climate Champions", desenvolvido pelo British Council nos 13 países conhecidos como G8+5: Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Rússia, Reino Unido, EUA + Brasil, China, Índia, México e África do Sul.

Pelo programa, os jovens selecionados participarão da Conferência Internacional de Meio Ambiente, a ser realizada em Kobe, no Japão, em maio de 2008. Para conhecerem mais sobre o assunto e se prepararem, participarão de uma reunião no Reino Unido, em março de 2008, onde receberão treinamento sobre as mudanças climáticas e como multiplicar o tema. Os custos das duas viagens serão pagas pelo British Council.

Jovens de todos os países do G8+5 serão selecionados para o programa, o que proporcionará aos participantes uma intensa troca de experiências. Será ainda uma interessante oportunidade de conhecer instituições e comunidades e estar em contato direto com diversas culturas. (Fonte: British Council)

O regulamento e o formulário de inscrição estão publicados no site do British Council.

A inscrição deve ser enviada para o e-mail embaixadoresdoclima@britishcouncil.org.br até o dia 31 de janeiro de 2008.

UFRGS: NO CV 2008, NEGROS OBTÊM MENOS DA METADE DA COTA NA UFRGS

Maior universidade pública gaúcha divulgou o listão dos aprovados no primeiro exame realizado com reserva de vagas para cotistas

Candidatos autodeclarados negros obtiveram menos da metade da reserva de 15% para descendentes afros no vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
No primeiro concurso pelo sistema de cotas da maior universidade pública gaúcha, eles conseguiram 6,8% das vagas a que tinham direito.
Ao anunciar o listão do vestibular, às 17h30min de ontem, o reitor José Carlos Hennemann ressaltou que os 30% de cotas sociais foram preenchidos. Como a reserva de 15% para os negros foi ocupada em menos da metade pelos 1.356 inscritos, ela absorverá os melhores colocados que ficaram de fora do bloco destinado a alunos de escolas públicas.
- A oferta de vagas foi integralmente preenchida. A escola pública sai valorizada do vestibular - disse Hennemann.
Pelo novo desenho, 70% das 4.312 vagas serão para os melhores classificados no vestibular. Os outros 30% serão preenchidos por 6,8% de autodeclarados negros e alunos egressos de escolas públicas. Na segunda-feira, o reitor deverá informar o aproveitamento dos vestibulandos nos 69 cursos. A expectativa é sobre o desempenho dos cotistas nos mais procurados, como Medicina e Direito.
Um dos candidatos negros que passaram no vestibular foi André Luís Carmo dos Santos, 30 anos, funcionário da UFRGS. Ao ler o seu nome, André Luís foi cumprimentar o reitor Hennemann. Ele desistiu da Faculdade de Direito numa universidade particular, porque não conseguiu pagar as mensalidades.- O negro tinha de ser reconhecido e valorizado - exultou o vestibulando, que cursará Filosofia.

Prova repetiu qualidade das edições anteriores
Um ritual que já é tradição acompanhou a divulgação do listão. Enquanto os nomes eram afixados num mural, no anexo da Reitoria, Hennemann leu o nome de uma aluna aprovada no curso de Farmácia, o mais antigo da UFRGS, criado em 1895.
O primeiro vestibulando a festejar, na UFRGS, foi Bruno Kauer, 19 anos, que passou para Odontologia. Abraçado à mãe, a professora Maria Alice, Bruno conseguiu ver o nome no mural antes mesmo de a consulta ser liberada. Utilizou o zoom da máquina fotográfica para visualizar de longe, porque um cordão de isolamento ainda bloqueava o acesso enquanto as listas eram colocadas na parede.
Reunindo 34.999 candidatos, o primeiro vestibular de cotas na maior instituição de Ensino Superior do Rio Grande do Sul foi precedido de polêmica.
Grupos contrários e favoráveis à reserva se desentenderam. Os mais exaltados chegaram a fazer pichações racistas. Mas a universidade se manteve irredutível. Ontem, o reitor Hennemann assegurou que o vestibular com o sistema de cotas transcorreu normalmente e com a "mesma qualidade de anos anteriores".

Razões para o desempenho
Há explicações preliminares para o índice de aprovação de 6,8% entre os candidatos autodeclarados negros.
  • O número de inscritos, 1.356, foi considerado baixo.
  • O sistema de cotas sociais foi aprovado às vésperas do vestibular, não oferecendo tempo adequado para a preparação.
  • Outro argumento é que a oferta de vagas, em determinados cursos, foi maior do que o número de candidatos afrodescendentes.
  • Ainda existe a variante dos cursos mais disputados, como os funis dos cursis de Medicina e do Direito, que eliminaram centenas de concorrentes, inclusive os afros.

A avaliação

Integrante do Conselho Universitário que definiu o regime de cotas sociais, Junara Nascentes, 22 anos, considerou satisfatório o desempenho de candidatos autodeclarados negros no vestibular da UFRGS. Avaliou que o índice de 6,8% repete a média em outras universidades, devendo aumentar nas próximas edições.
Também participante do Fórum de Ações Afirmativas, Junara observou que os candidatos negros tiveram pouco tempo para se preparar, além de se desgastarem com os preconceitos sofridos.

Fonte: AP - Jornal Zero Hora 23.01.08

NEGROS NÃO OCUPAM COTAS EM 14 CURSOS NA UFRGS

Para ampliar clique na imagem. Para salvar clique com no botão direito do mouse e selecione "salvar imagem como..."
Clique na imagem abaixo para ampliar a tabela "Como ficaram as médias de ingresso na UFRGS em 2008". Parabaixar em PDF clique aqui.

Retirado do site do jornal Zero Hora do dia 22.01. para ir para o site clique aqui.

Os extremos da reserva racial
Sem cotistas negros
Cursos em que não foi preenchida nenhuma vaga de cota racial
- Administração - Diurno
- Artes Visuais - Licenciatura
- Biomedicina
- Direito - Diurno
- Publicidade e Propaganda
- Design - Habilitação Design Produto
- Design - Habilitação Design Visual
- Engenharia Ambiental
- Física
- Fonoaudiologia
- Medicina
- Música
- Relações Internacionais
- Teatro
Ocupação máxima
Cursos em que todas as vagas reservadas para negros foram preenchidas
- Educação Física - Licenciatura
- Enfermagem
- Engenharia Cartográfica
- Física - Licenciatura - Noturno
- Geografia - Noturno

ARTIGO DO VIVA FAVELA SOBRE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Retirado do site do viva favela

Liberdade religiosa
Fabiana Oliveira 23/01/2008

A discriminação religiosa é mais comum do que se imagina no Brasil, sobretudo contra religiões de matriz africana, como o candomblé e a umbanda. Seja no asfalto ou na favela não faltam relatos de adeptos que sofrem com a situação.

Francis conhece vários casos
de discriminação religiosa
Garantida pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Constituição Brasileira, a liberdade de escolha religiosa está longe de ser respeitada entre os brasileiros, principalmente quando se fala das religiões de matriz africana. Tanto que o governo federal instituiu o dia 21 de janeiro - Dia Mundial da Religião - como Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.

As religiões de matriz africana são historicamente as que enfrentam o maior preconceito e discriminação. Ao longo da história do Brasil os terreiros de candomblé foram vítimas de perseguição policial, da imprensa, da igreja católica, do poder público, de grupos neo-pentecostais e agora até mesmo de traficantes nas favelas cariocas.

Casos de Babalorixás (pais-de-santos) expulsos dos locais onde moram são cada vez mais comuns. No início do ano 2000, o Babalorixá João* foi retirado por traficantes do terreiro que tinha na Zona Oeste do Rio. Segundo ele, os bandidos viam de forma negativa a presença do Babalorixá no local. Para trás, João deixou sete anos de trabalho, além de tudo que possuía.
"Chegaram no meu terreiro, me bateram e disseram que eu tinha 24h para sair. Aí não tive alternativa. Praticamente perdi tudo o que era meu pessoal porque na mudança priorizei mais as coisas do terreiro", conta ele, que pediu anonimato por medo de represálias.

Morando atualmente em outro estado, o Babalorixá, diz que nunca mais teve coragem de voltar ao local e por precaução evita ir ao Rio de Janeiro. Nem mesmo coisas que deixou em casa de vizinhos, ele voltou para retirar:

"A gente fica inseguro. Não tive coragem nem de vender o terreno. Hoje em dia me acho até uma pessoa vencedora por ter conseguido recomeçar. Muitos em meu lugar teriam desistido, mas confiei nos orixás e atualmente estou bem melhor".

Adeptos dessas religiões são obrigados a conviver com ofensas de todos os tipos. Seja nas ruas ou no trabalho. Nelson Silva de Oliveira é praticante do candomblé há 12 anos. Morador de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, o professor de História diz ser freqüente as discriminações.

“Uma vez terminou a aula e estava conversando com um grupo de alunos sobre religião. Ai disse a uma aluna que eu era candomblecista. Ela levou um susto porque tem aquela visão de que o candomblé é coisa de pessoa sem esclarecimento. Outra vez meu colega disse que uma menina recebeu a pomba-gira (entidade cultuada na umbanda), trancaram-na numa sala da escola juntamente com outras quatro pessoas dizendo que ela estava com o demônio no corpo, sendo que na nossa religião, nem existe a figura do demônio", esclarece o professor.

Falsa democracia religiosa
De acordo com o relatório da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), das 314 denúncias recebidas entre 2005 e 2007, 17% diziam respeito a discriminação religiosa. Segundo o professor de direito e ex-ouvidor da SEPPIR, Luiz Fernando Martins da Silva, isso é mais comum do que se imagina.
Luiz: não somos uma
democracia religiosa
"Basta ligar a televisão que é possível ver a desqualificaçã o que alguns segmentos neo-pentecostais fazem com as religiões de matriz africana. Este é um exemplo de como não somos uma democracia religiosa", fala.

Essas desqualificaçõ es, segundo o advogado, vão desde ligação dos orixás do candomblé a demônios que fariam mal a saúde física e mental das pessoas, induzindo-as à pobreza e criminalidade, até o uso de palavras discriminatórias para descrever as religiões.

Em novembro de 2007 o advogado denunciou a procuradoria geral de justiça um pastor que apresentou ao departamento de polícia uma pessoa acusada de ter provocado a morte de um turista italiano na Zona Sul. O sacerdote alegou que ele havia se convertido e cometera o crime por estar povoado de demônios.

No dia seguinte vários jornais notificaram o ocorrido dando nome aos demônios de Zé Pelintra e Exu Caveira. O caso está em andamento na 44 DP, em Inhaúma. Mas, segundo Luiz Fernando, essas discriminações não ocorrem somente entre membros de religiões opostas:

"Muitas vezes o estado também pratica discriminação negando os direitos dessas religiões através de atrasos na emissão de documentos para regularização jurídica dos terreiros".

Estratégias para driblar o preconceito
Segundo dados censitários os seguidores de candomblé, em suas diferentes vertentes e a umbanda somam 571.329 adeptos, ou seja, cerca de 0,34% da população brasileira. Número tido por pesquisadores como fidedignos, tendo em vista que boa parcela de seguidores dessas religiões declaram-se "católico" e "espírita" aos recenseadores.

Isso acontece em parte, devido ao estigma que essas religiões carregam. Segundo a Ialorixá (mãe-de-santo) Francis de Iemanjá, que tem um terreiro na Zona Norte do Rio, não faltam exemplos de preconceitos sofridos pelos praticantes:

"Tenho uma filha de santo que trabalha em um colégio e não a deixam entrar com ojá (pano branco que alguns praticantes usam na cabeça e que faz parte do ritual). Outra, que morava numa favela da Zona Norte foi insultada e jogaram uma ponta de cigarro em sua roupa porque ela estava vestida de branco”.

Mãe Francis diz que o preconceito começa quando os adeptos saem do culto. Para ela, é fundamental que aconteçam palestras que esclareçam para a população o que são as religiões de matriz africana.

André Porto: é importante um conhecer o outro
A gente sai do terreiro e na condução já somos discriminados. Quando entramos no ônibus todo mundo fica olhando como se fôssemos assombração. Acho que tem que ter mais palestras com as crianças e adolescentes nas escolas para explicar que nossa religião não é nenhum capeta. Nós cultuamos a natureza, o orixá”, explica.

André Porto, coordenador do MIR – Movimento Inter Religioso do Rio de Janeiro e responsável na América Latina pela URI - Iniciativa das Religiões Unidas também concorda com a Ialorixá que essas discriminações acontecem muitas vezes pela falta de conhecimento que as pessoas têm dessa religiões.

"Para haver respeito é importante um conhecer o outro. A discriminação muitas vezes vem da própria ignorância. Para entender a sua humanidade é preciso conhecer a humanidade do outro. Através do contraste acaba aprofundando as raízes da sua própria identidade", diz.

Desde a Eco-92, o MIR, que é ancorado ao ISER (Instituto de Estudos da Religião), vem realizando ações com objetivo de promover o diálogo e cooperação entre os grupos religiosos. Atualmente o grupo congrega cerca de 20 religiões. As reuniões acontecem toda segunda terça-feira do mês, às 18h30, na Glória.

Os encontros têm objetivo de aproximar religiões para que um dia, o sonho da Ialorixá Francis se realize: "Espero que um dia esse preconceito acabe e que possamos praticar nossos cultos e sairmos com nossos adereços sem sofrermos discriminação.

I FÓRUM NACIONAL DE CONSCIÊNCIA NEGRA SERÁ EM ALAGOS

Retirado do site da Fundaçâo Palmares

Os encaminhamentos para a realização do I Fórum Nacional da Consciência Negra na Educação foram o principal ponto de discussão entre as entidades e instituições que participaram nesta sexta-feira (18), da V Roda de Diálogos promovida pela gerência de Educação Étnico-Racial da Secretaria de Estado da Educação e do Esporte. Durante a atividade, foi elaborado um edital de convocação, que deve ser publicado na próxima semana no Diário Oficial do Estado. Além disso, foi indicado o dia 29 deste mês, para a realização de uma reunião entre as entidades vinculadas à questão negra em Alagoas e a Fundação Palmares, tendo como tema de discussão o Parque Memorial Quilombo dos Palmares.
"O edital tem como objetivo convocar as instituições e entidades para a participação no Fórum, bem como determinar algumas diretrizes para a sua realização", conta a gerente de Educação Étnico-racial, Arísia Barros. A atividade acontecerá nos dias 28, 29 de fevereiro e 1º de março, no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, no bairro de Jaraguá.
Fórum - Denominado "Iká Kô Dogbá: Os Dedos Não São Iguais", o Fórum está em consonância com a Lei Federal 10.639/03, que dimensiona o ensino de História da África e Cultura Afro-brasileira no currículo escolar, tornando-o obrigatório na educação básica; e o Parecer CNE/CP003 (BRASIL, 2004), que amplia as discussões sobre a identidade da cultura afro-brasileira e o combate a discriminação racial no espaço escolar.
"Além disso, foi sancionada em julho do ano passado a Lei Estadual nº 6.814, criando a obrigatoriedade do ensino da África e dos afro-descendentes brasileiros e alagoanos no currículo das escolas alagoanas", acrescenta a gerente, justificando a importância do evento acontecer em Alagoas. Durante o Fórum, serão realizados espaços de exposição, discussão e interlocução e troca de experiências na implementação das leis, além da troca de subsídios teóricos e metodológicos que desenvolvam habilidades e conhecimentos relativos à história e cultura da África e dos afro-descendentes no Brasil e em Alagoas.
Poderão participar do Fórum cidadãos, profissionais da educação e/ou representantes dos movimentos negros, secretarias, órgãos e entidades que apresentem experiências na implementação da Lei Federal nº 10.639/03. A proposta dos participantes da Roda de Diálogos é que as inscrições deverão ser feitas por entidades.
Parque - De acordo com Arísia, a realização das rodas de diálogo têm contribuído para estabelecer, de forma coletiva, as políticas relativas à mudança de paradigma na questão negra em Alagoas. Em relação à reunião com a Fundação Palmares, a gerente explica que há um anseio para que o espaço do Parque Memorial seja mais bem aproveitado, tanto em atividades pedagógicas quanto turísticas. "O parque é um patrimônio cultural da humanidade, e por isso mesmo, queremos aproveitá-lo melhor, dar visibilidade à sua existência", destaca.
Para a gerente, é preciso que haja uma maior articulação e a definição de políticas que instiguem as visitas. "Queremos discutir essas questões, bem como a gestão do parque", conta. A idéia é fazer uma articulação conjunta para garantir a manutenção e a divulgação do espaço enquanto possibilidade de aprendizado histórico. Na opinião de Elcias Pereira, da ONG Anajô e conselheiro do Instituto Magna Matter, a estrutura inaugurada no ano passado têm sido mantida, mas é realmente preciso "dar uma guinada" nas ações de divulgação.

UNIVERSIDADES BENEFICIARAM 40 MIL PELO SISTEMA DE COTAS

Para ampliar clique na imagem. Para salvar clique com no botão direito do mouse e selecione "salvar imagem como..."

Retirado do jornal Estado de SP

Domingo, 27 de Janeiro de 2008 Versão Impressa
Universidades beneficiaram 40 mil pelo sistema de cotas
Estadual do Rio de Janeiro é a campeã, com mais de 6 mil beneficiados
Paulo Darcie e Roberto Almeida


Doze das principais universidades federais e estaduais do Brasil já beneficiaram, até 2007, um total de 40 mil pessoas por meio de ações afirmativas de inclusão social, como a reserva de vagas e cotas raciais.
Segundo dados fornecidos pelas instituições, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que aplica o sistema desde 2003 e reserva 50% das vagas para cotistas, é a campeã, com 6.488 beneficiados. Em seguida vêm a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com 5.473 estudantes cotistas, e a Universidade Federal do Paraná (UFPR), com 3.885 alunos que ingressaram pelo sistema.
O ritmo de adesão a políticas afirmativas é forte. Para o vestibular de 2008, mais cinco universidades implantaram algum tipo de sistema diferenciado de seleção. As federais do Espírito Santo (UFES), de São Carlos (UFSCar), do Pará (UFPA), do Rio Grande do Sul (UFRGS) e de Santa Maria (UFSM) devem receber por volta de 4.600 calouros beneficiados por algum tipo de ação afirmativa pela primeira vez neste ano. A federal de Santa Catarina, que deveria abrigar mais 1.142 alunos cotistas, teve seu sistema contestado e julgado irregular pela Justiça.

PREFERÊNCIAS
O sistema de cotas para negros foi alvo de discussões quanto à sua legalidade e caráter democrático. Por isso não encontrou espaço em muitas das grandes universidades brasileiras. A maior delas, a Universidade de São Paulo (USP), Desenvolveu, no ano passado, um sistema de inclusão que não prevê a reserva de vagas, apenas contempla os candidatos de escolas públicas com um acréscimo de 3% sobre nota final.
O resultado do primeiro ano do Inclusp, como é conhecido o sistema, foi o aumento de 11% no número de alunos oriundos da escola pública (total de 2.719 calouros em 2007) e a conseqüente maior participação dos negros: foram 9,5% a mais do que no ano anterior.
A opção por facilitar a entrada de alunos que tenham concluído o ensino médio em escolas públicas também é o preferido pelas instituições nordestinas, como as federais do Maranhão (UFMA), Pernambuco, Rio Grande do Norte (UFRN) e Piauí (UFPI). A Estadual da Paraíba (UEPB) vem aumentando gradativamente o espaço para esses alunos. Em 2006, 10% das vagas foram reservadas; em 2007 foram 30%; e em 2010 deve chegar a 50%.
A UFRGS, para garantir vaga a alunos indígenas, aplica provas específicas. Na UFSCar, eles têm uma vaga reservada em cada curso.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

V CONGRESSO DE PESQUISADORES NEGROS

Congresso de Pesquisadores Negros
V Congresso Brasileiro de Pesquisadores/ as Negros/as

Pensamento negro e anti-racismo: diferenciações e percursos
Goiânia - 29 de julho a 01 de agosto de 2008


1ª. CIRCULAR
O V Congresso Brasileiro de Pesquisadores/ as Negros/as, será realizado em Goiânia, pela Associação Brasileira de Pesquisadores Negros – ABPN, sob a responsabilidade da Universidade Federal de Goiás – UFG e da Universidade Católica de Goiás - UCG, com a participação de professores/ as da Universidade Estadual de Goiás - UEG, além de parceiros como órgãos governamentais nacionais, estaduais e municipais, entidades do movimento negro e empresas.
Nesta circular divulgamos tema, eixos temáticos, programação geral, cronograma e contato. Em breve divulgaremos site e e-mail do evento.

TEMA
O tema do V CBPN Pensamento negro e anti-racismo: diferenciações e percursos aponta para a necessidade de contínua reflexão acerca da produção de intelectuais negros/as, em grande parte “invisíveis” na ciência brasileira e nas sociedades científicas ainda que tenhamos indivíduos de renome nacional internacional. Além disso, o pensamento negro em foco tem um horizonte transnacional e comporta variações e divergências dentro de uma unidade de construção de uma representação negra plural no Brasil e no mundo, principalmente no tocante ao combate ao racismo, fenômeno multifacetado que, por sua vez, exige uma multiplicidade de interpretações e intervenções visando sua eliminação.

Nas diferenciações do pensamento negro destacamos sujeitos e temáticas: o pensamento feminista negro, a juventude, os grupos afro-LGBTT, a intelectualidade negra não acadêmica. Dentre os percursos podemos retomar desde a antiguidade das sociedades africanas como a voz e o texto de pensadores/as negros de meados do século XIX e do século XX, compreendendo os períodos escravista nas Américas e colonial na África.
O tema será trabalhado nas mesas redondas, grupos de trabalhos (GT’s) e comunicações de pesquisas, através de eixos temáticos que nortearão os GTs, as mesas Redondas e as Sessões de Pôsteres.

Eixos temáticos
1. Intelectualidades, feminismos e movimentos negros
2. Corporeidade, gênero e sexualidade
3. Educação e hierarquias étnico-raciais
4. África e diásporas africanas
5. Ações afirmativas, Estado e racismo institucional
6. Arte, ciência e tecnologia
7. Trabalho, raça e gênero
8. Territórios, religiões e culturas negras
9. Saúde e racismo ambiental
10. Juventudes e (re)existência

Para ler a circular completa clique aqui.

Para baixar um CD-Rom com textos, anais e fotos do III COPENE (Maranhão) clique na imagem abaixo.

JUSTIÇA MANTEM PROVA DO VESTIBULAR NO DOMINGO

Retirado do site do G1

25/01/2008 - 19h41
Ministério Público pedia que mais candidatos cotistas fossem incluídos na 3ª fase.A liminar caiu, mas o processo continua correndo até o julgamento.
Do G1, em São Paulo
entre em contato

A Justiça Federal manteve para este domingo (27) a prova do vestibular da Universidade Federal do Pará (
UFPA ). O Ministério Público Federal (MPF) havia pedido, por meio de liminar ajuizada nesta quarta-feira (23), o adiamento do exame. A intenção era incluir mais candidatos cotistas na terceira fase do Processo Seletivo Seriado (PSS).

A procuradora regional dos direitos do Cidadão, Ana Karízia Teixeira, autora do processo, afirma na ação, que a universidade aplicou o critério de aprovação para a terceira fase de forma equivocada e convocou menos candidatos cotistas do que seria necessário para que a ação afirmativa seja eficaz.

O processo continua correndo na Justiça e apenas a liminar de adiamento do processo seletivo foi negada.
Segundo a ação civil, ao invés de separar, já na segunda fase, os candidatos do sistema universal dos cotistas, a UFPA optou por somar todos candidatos classificados para, então, realizar o corte de três candidatos por vaga exigido na etapa final, o que "gerou situação totalmente incompatível com o propósito da ação afirmativa a que se propunha a instituição". A ação propõe que o correto seria obter separadamente, sempre na razão de três para um, os candidatos cotistas e não-cotistas aprovados para a terceira etapa do processo seletivo.

» UFPA realiza 2ª fase do vestibular seriado neste domingo
» UFPA divulga gabarito da 2ª fase do vestibular seriado
» Estudantes são barrados na primeira fase da UFPA
» UFPA divulga o gabarito e a prova da 1ª fase do vestibular

DISPUTA DE HILLARY E OBAMA COMO "CONFLITO RACIAL"

Um pouco atrasado, pois foi publicado no dia 26.01, mas ainda tá velando pelas informações.

LANÇAMENTO DO DICIONÁRIO LITERÁRIO AFRO-BRASILEIRO


A Pallas Editora, a Casa das Rosas e o Quilombhoje Literatura convidam a todos para o lançamento do livro: DICIONÁRIO LITERÁRIO AFRO-BRASILEIRO de Nei Lopes.


O evento será realizado na quinta feira, 14 de fevereiro de 2008, às 19h na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura Av. Paulista, 37 - Bela Vista - Próximo ao Metrô Brigadeiro.

Informações: 3285 6986 - 3288 9447 - www.apaacultural.org.br

Entrada franca Acesso para portadores de deficiências.
Para comprar o livro pela editora Pallas clique aqui.

RACISMO CONTRA PM NA PARAÍBA

Em Cabedelo
Habeas corpus libera dentista acusada de racismo contra cabo da PM
Jornal O Norte - Terça, 22 de Janeiro de 2008 12h38

A dentista Sâmia Sobral de Sousa Lima, 29 anos, foi presa em flagrante na madrugada desta segunda-feira, dia 21, acusada de racismo contra o cabo da Polícia Militar José Irenaldo Mesquista da Silva, do Pelotão de Choque do 1º Batalhão da PM. Sâmia Sobral de Sousa Lima foi liberada através de um habeas corpus expedido pela juíza substituta da 2ª Vara de Cabedelo, Andréia Gonçalves Lopes Lins, Entretanto, em menos de 24 horas, a odontóloga foi liberada da 8ª Delegacia Distrital, após seus advogados terem entrado com um pedido de habeas corpus. Segundo o delegado responsável pela 7ª DD, tudo começou depois que a dentista queixou-se de que um rapaz de cor escura teria atirado uma pedra no carro de uma colega.
Uma viatura da Polícia Militar sob o comando do cabo José Mesquista atendeu o chamado. Quando ele se aproximou a odontóloga, ela teria dito que um "negrinho" tinha jogado a pedra no carro.
O policial advertiu a dentista sobre o termo racista e descriminatório. Contudo, a Sâmia Sobral teria falado que o cabo José Mesquista estava agindo daquela maneira porque tinha a mesma cor do acusado e teria chegado a mostrar o braço comparando a sua cor com a do cabo, mostrando que tinha a pele branca num tom racismo. Imediatamente, o cabo José Mesquista deu voz de prisão a odontóloga. Ela foi conduzida a 8ª DD onde ela foi autuada pelo crime de racismo, que é inafiançável de acordo com artigo 20 da lei 7716/89 e que prevê pena que varia de um a 3 anos de prisão.
Fonte: Da redação

Para ir para o site do jornal clique aqui.

3º ENCONTRO INTERNACIONAL DO SAMBA

Clique na imagem para ir para o site.


ARTIGO CONTRA COTAS NO ESTADO DE SÃO PAULO ATACA MOVIMENTO NEGRO

Para ampliar clique na imagem. Para salvar clique com no botão direito do mouse e selecione "salvar imagem como..."

Estado de São Paulo
Segunda-Feira, 28 de Janeiro de 2008 Versão Impressa
Discutir e condenar o racismo emergente
Antonio Paim
Entre nós, a discussão substantiva de certos temas deixa muito a desejar. Atribuo a circunstância a certa acomodação com o patrulhamento ideológico, vigente em áreas da universidade e instâncias do governo, notadamente da educação. Essa acomodação pode ter resultado de duas coisas: reconhecimento da inutilidade do gesto ou graças à "cortina de ferro" que se tem conseguido estabelecer em torno daquilo que incomoda.

Não parece muito difícil verificar que o patrulhamento hoje é igual ou maior do que o que existia em 1978, há 30 anos, portanto, quando a censura a um texto de Miguel Reale, na PUC do Rio de Janeiro, provocou grande celeuma, refletida no título do livro que editei, reunindo artigos dos dois lados - Liberdade Acadêmica e Opção Totalitária: um Debate Memorável (Artenova, 1979). Desapareceu mesmo foi a discussão pública.

Chamo a atenção para esse aspecto com a intenção de evitar que se construa uma cortina de silêncio em torno das teses apresentadas por Antonio Risério em A Utopia Brasileira e os Movimentos Negros (Editora 34, 2007). Acham-se extremamente bem documentadas e são as seguintes: os atuais movimentos negros renegaram a tradição da abordagem do assunto, que, no Brasil, estava centrada na questão da cor. O máximo que se pretendeu nessa matéria consistiu em recomendar o branqueamento, que não deixava de ser uma capitulação diante da mistura, da mescla, da miscigenação. Mais importante que essa advertência é a comprovação de que se trata simplesmente de macaquear modelo alienígena.

Transcrevo: "Não devemos desconhecer a realidade em que nos movemos. Não devemos ceder à tentação das fantasias fáceis, dos truques ideológicos, dos artifícios jurídicos, dos maniqueísmos simplificadores. Não devemos nos contentar com a transposição mecânica, para a realidade sociorracial brasileira, de discurso político-acadêmico em vigor nos EUA, cujas história, formação e situação são radicalmente dessemelhantes da nossa experiência como povo e nação. Pelo contrário: temos de recusar o imperialismo cultural norte-americano, que pretende universalizar os seus modelos e os seus particularismos. E temos de partir de nós mesmos. É por isso que insisto que não temos nenhuma forte razão para substituir o rico espectro cromático brasileiro pelo rígido padrão racial norte-americano - ainda mais que, nos EUA, cresce a mobilização em favor do reconhecimento social da existência de mestiços, com um número cada vez maior de pessoas reivindicando a inclusão da categoria mixed-race no censo (e no senso) da nação. De outra parte, acho que não devemos perder muito tempo fazendo essas comparações. Esclareçamos as coisas básicas e, depois, o melhor é deixar os EUA de lado - e nos concentrarmos em nossos muitos e urgentes problemas. Mas o certo é que ninguém vai entender o Brasil se não encarar, em toda a sua abrangência e complexidade, os fenômenos fundamentais da mestiçagem e do sincretismo" (edição citada, pág. 411).

Risério procurou reconstituir toda a discussão em torno da escravatura, inclusive a noção (perdida) de que a sua aceitação não se limitava à "classe dominante", sendo inclusive prática existente e reconhecida entre os próprios escravos. Essa recuperação se estende ao movimento abolicionista. A contribuição dos africanos à nossa civilização se acha suficientemente valorizada, sem embargo da ênfase na falta de sentido de deixar de proclamar que a descendência reconhece (e proclama) ser brasileira.

Detém-se também no que denominou "movimentos negros hoje", buscando recuperar antecedentes imediatos esquecidos. A transição da tradicional classificação da população, como sendo de cor, para denominá-la "negra", se encontra fartamente documentada e discutida. Denuncia com propriedade a falácia de seus defensores ao afirmar que estariam passando do "biológico para o político" como "artifício ideológico para neutralizar ou encobrir o fato genético, a mistura de genes". A conclusão é a seguinte: "O racialismo neonegro, que vinha há tempo conseguindo algum espaço no governo federal, deixou o entrincheiramento burocrático e se instalou abertamente na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, desde a posse de Lula."

A substituição do nosso comportamento tradicional pelo modelo norte-americano introduz em nosso meio postura nitidamente racista. Não se trata, como adverte Risério, de negar a existência de preconceito entre nós. Mas de destacar que corresponde a preconceito de cor, condenável enquanto convicção individual. À sociedade compete impedir que se transforme em discriminação, que só poderia resultar de uma ação coletiva, o que, aliás, nunca houve no País. Não se tem notícia da existência de algo parecido com a norte-americana Ku Klux Klan.

O que me parece mais grave no racismo de tais movimentos consiste em que as políticas que têm conseguido obter correspondem a equívoco funesto. A médio e longo prazos, trarão prejuízos definitivos tanto a instituições como a indivíduos. É óbvio que a obtenção de títulos acadêmicos, mediante ingresso na universidade por meio de cotas, disseminará indevidamente a pecha de incompetente a pessoas que, sendo bem dotadas, poderiam alcançá-los sem benesses. Quanto ao acesso à universidade dos que, por dificuldades econômicas, não tiveram condições de se preparar de forma a enfrentar a competição, a política adequada consiste em proporcionar-lhes bolsas que lhes permitam ingressar pela porta da frente.

Antonio Paim é presidente do Conselho Acadêmico do Instituto de Humanidades. Site: www.institutodehumanidades.com.br

Para ler o artigo na pagína do jornal clique aqui

PROCURADOR DIZ QUE COTAS ESTÃO ESTIMULANDO O ÓDIO RACIAL

Vamos rezar para que ele perca este processo. Vamos ver se ele cumpre a promessa feita na entrevista.
Clique na imagem para ampliar. Para salvar clique no botão direito no mouse e selecione "salvar imagem como..."


Segunda-feira, 28 janeiro de 2008
Entrevista

Davy Lincoln Rocha: procurador da República
Custo da compensação, para ele, deve ser cobrado da sociedade como um todo e não só de quem se saiu melhor no vestibular
Elder Ogliari, PORTO ALEGRE


O polêmico debate sobre a reserva de vagas da universidade para estudantes negros e egressos do ensino público ganhou um novo ingrediente com a liminar que o procurador da República Davy Lincoln Rocha conseguiu da Justiça Federal para suspender o sistema na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na sexta-feira, e as opiniões fortes que ele vem emitindo desde então. Na ação, Rocha sustentou que as cotas não estão previstas em lei, que a autonomia não dá às universidades o direito de legislar e que a Constituição estabelece a igualdade de direitos.
Em comentários posteriores, ele considerou o sistema de cotas uma hipocrisia que coloca pessoas despreparadas na universidade e propôs que as compensações aos negros e aos pobres sejam pagas por toda a sociedade por meio de bolsas de estudo e não cobradas de estudantes que se saíram melhor no vestibular. Afirmou, ainda, que os cotistas estarão sujeitos ao vexame na faculdade e à discriminação no mercado.
Rocha, de 48 anos, baseia-se na sua experiência para contestar as cotas. Filho de um retirante do Piauí e de uma cabocla catarinense, se considera um “vira-lata racial”. Mas conta que, por esforços próprios, seu pai se formou em Letras e se tornou tradutor da missão naval dos Estados Unidos no Rio, e a mãe saiu do analfabetismo já adulta para se formar em enfermagem. Rocha só estudou em escolas públicas, é formado em Engenharia e Direito e passou em concurso para a procuradoria da República em Santa Catarina em 1998.
Nesta entrevista ao Estado, ele insiste em que o mérito deve ser o critério de acesso à academia, que “não é lugar para quem quer, mas para quem tem intelecto para freqüentá-la”.

O que o levou a mover a ação para suspender o acesso por cotas na Federal de Santa Catarina?
Recebi a representação de alunos, analisei, vi que as cotas não estavam previstas em lei. Como a Constituição estabelece a igualdade de direitos, entendi que a universidade não pode reservar vagas para alguns e impedir o acesso de outros candidatos. Há 30% de estudantes que estão sendo retirados por proibição, mesmo tendo notas para ingressar na faculdade.

No Rio Grande do Sul, juízes de primeira instância baseiam-se em decisões do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região que reconhecem o estabelecimento de cotas como direito da autonomia universitária para negar liminares a candidatos que perderam vagas para cotistas. O sr. acredita que a UFSC possa perder o recurso encaminhado à mesma corte?
O TRF da 5ª Região, do Recife, está mantendo liminares favoráveis a candidatos preteridos em Alagoas. Mas admito que dificilmente o TRF4 vá confirmar a liminar.

Nesse caso, o que pretende fazer?
Entrarei com uma ação civil pública pedindo a anulação de um concurso para juiz do TRF 4 que está em andamento e não prevê reserva de vagas para negros, egressos do ensino público e índios e um novo concurso que estabeleça cotas. O tribunal não pode ter uma política para fora e uma para dentro.

Para ler na íntegra clique aqui ou aqui.

24.01.08 JORNAL DA RECORD - CASO DE RACISMO EM CINEMA DO RJ



Este caso foi publicado também no jornal O Globo, para ler clique em: RACISMO NO RIO DE JANEIRO

domingo, 27 de janeiro de 2008

66% DAS CRIANÇAS POBRE NO BRASIL SÃO NEGRAS

Para ir para o site da UNICEF e baixar os relatórios citados na reportagem clique na imagem abaixo, ou clique neste link alternativo.


Trecho de um dos relatórios:

Dentro dessa ótica, o UNICEF escolheu como tema central do seu relatório Situação Mundial da Infância 2008 a primeira infância. Este anexo ao relatório global tem por objetivo focar a questão da primeira infância no Brasil, evidenciar os avanços, e mostrar as disparidades que cercam as crianças dessa faixa etária.


O Brasil possui a maior população infantil de até 6 anos das Américas. Crianças na primeira infância representam 11% de toda a população brasileira. No entanto, a realidade é dura para essa parcela da popu-lação. Os dados socioeconômicos apontam que a grande maioria das crianças na primeira infância no Brasil se encontra em situação de pobreza.

Aproximadamente 11,5 milhões de crianças ou 56% das crianças brasileiras de até 6 anos de idade vivem em famílias cuja renda mensal está abaixo de ½ salário mínimo per capita por mês. (IBGE/Pnad 2006 – Tabulação Especial de Eqüidade).

As crianças são especialmente vulneráveis às violações de direitos, à pobreza e à iniqüidade no País. As crianças negras, por exemplo, têm quase 70% mais chance de viver na pobreza do que as brancas; o mesmo pode ser observado para as crianças que vivem em áreas rurais.

O Brasil tem grandes chances de alcançar o Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (ODM) 4, que trata da redução da mortalidade na infância. O País apresentou grandes avanços com relação à taxa de mor-talidade infantil (crianças com menos de 1 ano) que caiu de 46,9/1000, em 1990, para 24,9/1000, em 2006. Contudo, as disparidades continuam: as crianças pobres têm mais do que o dobro de chance de morrer, em comparação às ricas. A mortalidade infantil entre crianças ilhas de mães negras é cerca de 40% maior do que entre as ilhas de mães brancas. Do total de crianças e adolescentes indígenas, 63% são crianças de até 6 anos de idade que vivem em situação de pobreza.


66% das crianças pobres são negras
by Correio Braziliense
23/01/2008 At 10:19
Apesar do avanço na redução da mortalidade de forma geral, o Brasil precisa diminuir a discrepância entre os negros.

66% das crianças pobres são negras Relatório salienta importância do Bolsa Família para melhoria dos indicadores sociais, mas cobra maior combate à pobreza em faixas específicas. Unicef também exige mais acesso à educação infantil Paloma Oliveto Da equipe do Correio Kleber Lima/CB A casa de Tiago, 5 anos, fica no alto de um barranco em Lago Azul (GO), no Entorno do Distrito Federal. Não tem reboco, portas internas, cimento no chão. São poucos os brinquedos do menino, que toma banho com água de poço e não tem acesso a esgotamento nem fossa sanitária. ? Tem dia que falta o que comer?, conta a mãe, Francisca Maria Braga dos Santos, 37 anos, desempregada. Tiago é uma das 29,6 milhões de crianças e adolescentes em situação de pobreza. De acordo com o relatório Situação Mundial da Infância 2008, divulgado ontem pelo Unicef, o número de meninos e meninas de até 6 anos que vivem em famílias com menos de meio salário mínimo per capita é de 11,5 milhões.

Do total de crianças consideradas pobres, 66% são negras. O Nordeste concentra a maior parte das famílias brasileiras nessa situação: das 7 milhões em situação de pobreza, 5 milhões são nordestinas. Em termos percentuais, 45,4% das famílias brasileiras com crianças de até 6 anos estão vulneráveis economicamente. A representante do Unicef no Brasil, Marie-Pierre Poirier, destaca a relevância do Bolsa Família, principal programa do Fome Zero, na luta pela redistribuição da riqueza no país.

Os R$ 112 mensais recebidos por manter os dois filhos mais velhos na escola são a única renda de Francisca. O marido sofreu um acidente e, embora não possa trabalhar, tentou, sem sucesso, receber aposentadoria por invalidez. Além de Tiago, ela é mãe de um menino de 9 anos e de uma garota de 14. ?É só com esse dinheiro que eu vivo?, conta a mulher. A ajuda, porém, não é suficiente. Ontem, o almoço da família era arroz puro. Francisca está preocupada porque, no mês que vem, recomeçam as aulas na rede pública. ?Vou usar o dinheiro da bolsa para comprar o material das crianças. Não sei como vou fazer para pagar as contas?, diz.

Para ler o restante da matéria clique aqui.

Brasil
5 milhões das 7 milhões de famílias brasileiras consideradas pobres estão no Nordeste

São Paulo
0,856 é o Índice de Desenvolvimento Infantil (que vai até 1) do estado. É o melhor do Brasil

Distrito Federal
0,794 é o Índice de Desenvolvimento Infantil (que vai até 1) do DF. É o quarto do Brasil

Acre
0,562 é o Índice de Desenvolvimento Infantil (que vai até 1) do estado. É o pior do Brasil