segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

CHRISTAFARI


christafari
Upload feito originalmente por
aldeiagriot

Santa ceia afro com todos os apostólos e Jesus Cristo rastafaris

Nascimento de Jesus Cristo fora do padrão racista que os filmes ajuaram a fortalecer. Para se pensar

Para baixar as imagens é só clicar como botão direito do mouse e clicar em "salvar imagem como...".

Ficam muito bonitas como fundo de tela do computador.




Custom Glitter Text

domingo, 23 de dezembro de 2007

PROJETO E PROMESSAS PARA JANEIRO DE 2008

Tem algum tempo que está sendo preparado uma série de postagem com vídeos (filmes, desenhos e documentários) para serem baixados diretamente do blog, mas devido a falta de tempo, por causa do excesso de trabalho e atividades do final do ano, temos que adiar o cronograma planejado.

Outra questão complicada é a forma de disponibilizar estes vídeos, pois a maioria das páginas que dispõem arquivos pesados cobram algum valor, como o megaupload ou rapidshare. Usamos muito o 4shared que é de graça, mas não suporta no seu modo free arquivos grande.
Existe também programas que disponibilizam arquivos pesados em p2p, como emule, torrent ou bittorrent.

Bom, a idéia é disponibilizar nos dois formatos.

Um exemplo abaixo.

Filme Malcom X (com legenda em português)
Biografia do famoso líder afro-americano Malcolm X, desde de sua infância, onde teve o pai, um pastor protestante, assassinado pela Klu Klux Klan e sua mãe internada por uma alegada insanidade. Ele foi um malandro de rua, traficante e assaltante, sendo preso por isso, e quando esteve preso descobriu o islamismo, se convertendo e se encontrando. Malcolm faz sua conversão religiosa como um discípulo messiânico de Elijah Mohammed. Ele se torna um fervoroso orador e defensor do movimento e se casa com Betty Shabazz. Malcolm X ora uma doutrina de ódio contra o homem branco até que, anos mais tarde, quando fez uma peregrinação à Meca, na Arábia Saudita, abranda suas convicções e percebe que o ódio deve ser dirigido aos racistas e fascistas. Foi nesta época que se reencontrou em sua fé no islamismo e se tornou um muçulmano sunita, ou moderado, mudando o nome para El-Hajj Malik Al-Shabazz, criando um movimento de pacificação entre as raças e se tornando um dos mais importantes líderes negros da história, mas o esforço de quebrar o rígido dogma da Nação do Islã teve trágicos resultados. Repleta de conflitos e reviravoltas, a história destaca o clima de paixão e ódio gerado pelas posições de Malcolm X nas décadas de 1950 e 1960, uma verdadeira aula sobre intolerância, preconceito, fé cega em seitas e/ou pessoas e fé religiosa.

Antes de clicar nos links abaixo clique aqui para baixar o program Torrent.
Para ver o vídeo instale o programa Divx pois a legenda não está embutida (colada ao vídeo). O Divx puxa a legenda quando inicia o vídeo. Clique aqui para baixar o programa e aqui para baixar os codecs.

MALCOLM X - Torent

MALCOLM X - LEGENDA

Links retirados do Forúm Making Off.

sábado, 15 de dezembro de 2007

ARTIGO MARAVILHOSO DA SUELI CARNEIRO SOBRE ABORTO, POLÍTICA EUGENISTA E BIOPODER

Artigo retirado do Blog Mulherem em foco. Para ler o artigo direto do blog clique aqui.

A filósofa Sueli Carneiro, articulista de opinião do Correio Braziliense, publicou na edição de hoje (31/10) deste jornal um artigo sobre o aspecto eugenista da correlação aborto/ combate ao crime, em pauta ao longo da semana. Encerrando a série de três matérias sobre o tema, publicamos este artigo na íntegra.

Biopoder

Sueli Carneiro
Doutora em Filosofia da Educação pela USP, é diretora do Geledés (Instituto da Mulher Negra)


A descriminalização do aborto, uma bandeira histórica do movimento feminista nacional, encontrou nova e perversa tradução de política pública na voz do governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. O governador defende a legalização do aborto como forma de prevenção e contenção da violência, por considerar que a fertilidade das mulheres das favelas cariocas as torna “fábrica de produzir marginais”.

Uma reivindicação histórica dos movimentos de mulheres de efetivação dos direitos reprodutivos das mulheres e de reconhecimento do aborto como questão de saúde pública sobre a qual o Estado não pode se omitir é pervertida em proposta de política pública eivada de ideologia eugenista destinada à interrupção do nascimento de seres humanos considerados como potenciais marginais. No lugar do respeito ao direito das mulheres de decidir sobre a própria concepção, coloca-se como diferença radical de perspectiva a indução ao aborto, pelo Estado, como “linha auxiliar” no combate à violência.

São teses que aparecem com recorrência no debate público e que, embora com nuances, mantêm o mesmo sentido. Uma das mais célebres foi dada anteriormente no governo de Paulo Maluf, em São Paulo, no qual o GAP (Grupo de Assessoria e Participação do Governo do Estado) elaborou o documento “Sobre o Censo Demográfico de 1980 e suas curiosidades e preocupações”. Nele, é apresentada a proposta de esterilização massiva de mulheres pretas e pardas com base nos seguintes argumentos: “De 1970 a 1980, a população branca reduziu-se de 61% para 55% e a população parda aumentou de 29% para 38%. Enquanto a população branca praticamente já se conscientizou da necessidade de se controlar a natalidade (…), a população negra e parda eleva seus índices de expansão, em 10 anos, de 28% para 38%. Assim, teremos 65 milhões de brancos, 45 milhões de pardos e 1 milhão de negros. A se manter essa tendência, no ano 2000 a população parda e negra será da ordem de 60%, por conseguinte muito superior à branca; e, eleitoralmente, poderá mandar na política brasileira e dominar todos os postos-chaves — a não ser que façamos como em Washington, capital dos Estados Unidos, onde, devido ao fato de a população negra ser da ordem de 63%, não há eleições”.

O documento se tornou público graças a denúncia feita na Assembléia Legislativa de São Paulo pelo então deputado Luis Carlos Santos, do PMDB-SP, em 5.8.1982. Trouxe à luz essa concepção de instrumentalização da esterilização como política de controle de natalidade dos negros denunciada internacionalmente pelo Relator Especial sobre Racismo da ONU, após sua visita ao Brasil em 1995.

Se o governador Sérgio Cabral ocupou-se em explicitar que as mulheres das favelas devem ser objeto de uma política eficaz de controle da natalidade via facilitação do aborto pelo Estado, o seu secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, tratou de estabelecer a diferença do valor de cada vida humana no Rio de Janeiro, o que provavelmente estabelece nessa lógica nefasta quem pode viver e quem deve morrer, ou nem mesmo chegar a viver. Em comentário sobre o fato de que os traficantes das favelas das zonas Oeste e Norte do Rio estariam se deslocando para as favelas da Zona Sul como reação às ações que vêm sendo realizadas pela polícia naquelas áreas, o secretário vê, nesse deslocamento dos traficantes, dificuldade adicional para o seu combate. Segundo ele, “é difícil a polícia ali entrar, porque um tiro em Copacabana é uma coisa. Um tiro na [favela da] Coréia, no complexo do Alemão [nas zonas Oeste e Norte, respectivamente], é outra (…). Uma ação policial em Copacabana tem uma repercussão muito grande, porque as favelas e os comandos estão a metros das janelas da classe média”.

Ora, se nas zonas Oeste e Norte, as favelas e os “comandos” estão em janelas frentes umas às outras, ou lado a lado, isso pode significar que são partes integrantes de um mesmo todo e o favelado civil e o traficante seriam indistinguíveis para efeito da repressão e violência policial. Tanto bandidos como policias sabem o que o civil favelado — nem policial nem traficante — vale: nada! Pode ser abatido como mosca por ambos os lados. Ir para a Zona Sul como estratégia de sobrevivência ou redução da letalidade dos confrontos entre bandidos e policiais é uma prerrogativa que apenas o bandido tem. O favelado civil, ao contrário, não tem para onde ir, está condenado a ser o “efeito colateral” dessa guerra insana.

Michel Foucault demonstrou que o direito de “fazer viver e deixar morrer” é uma das dimensões do poder de soberania dos Estados modernos e que esse direito de vida e de morte “só se exerce de uma forma desequilibrada, e sempre do lado da morte”. É esse poder que permite à sociedade livrar-se de seus seres indesejáveis. A essa estratégia Michel Foucault nomeou de biopoder, que permite ao Estado decidir quem deve morrer e quem deve viver. E o racismo seria, de acordo com Foucault, um elemento essencial para se fazer essa escolha. É essa política de extermínio que cada vez mais se instala no Brasil, pelo Estado, com a conivência de grande parte da sociedade.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

SITE DO MAPEAMENTO DOS TERREIROS DE SALVADOR

Site muito interessante, pois possibilita saber a localilzação dos terreiros de diversos ângulos. Na imagem acima foi escolhido: nação angola; regente Iansã; e todos os bairros da cidade.
Os detalhes em vermelho claro são as indicações da localização de cada terreiro. Quando se clica neles aparece um balão indicativo como na imagem abaixo. O interessante é que vem com contatos, endereços, nome da liderança e ano de fundação, ou seja, um pequeno cartão de apresentação virtual. O programa deve usar o google terra e o google mapas como fonte de localização.

Este programa está restrito a cidade de Salvador , mas com certeza deveria ser adotado na outras instâncias federativas. Para ampliar clique nas imagens e para ir para o site clique aqui.

MICROSOFT DESISTE DE SISTEMA QUE TRAVA PROGRAMS PIRATAS

Retirado da coluna Hardware & Software
Terça, 4 de dezembro de 2007, 16h07

Últimas de Hardware & Software
»
Microsoft desiste de sistema que trava programas piratas»

Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

A Microsoft está desistindo de um sistema que desabilita programas que suspeita que são piratas, optando por um sistema de alertas que incomoda o usuário.
A Microsoft disse na segunda-feira que vai lançar a nova versão do Windows Genuine Advantage (WGA) com o primeiro service pack para o Windows Vista, no primeiro trimestre de 2008.
Quando um computador ativa uma cópia do Windows Vista, ou tenta baixar determinado programa do site da Microsoft, o WGA escaneia o PC por softwares pirata. Hoje, se a ferramente encontra uma cópia não autorizada do Vista, algumas funções são desabilitadas.
Na nova versão, usuários que têm a cópia pirata do Vista poderão continuar usando o programa, mas o sistema ficará mostrando mensagens alertando que é pirata. O fundo de tela mudará para preto e uma mensagem branca aparecerá alertando do problema. Cada vez que se loga no computador, o usuário será avisado para comprar software legítimo, e a cada hora um alerta aparecerá na tela.
Usuários com alto nível de tolerância para irritação podem viver com estes alertas indefinidamente. Os outros podem adquirir uma versão oficial do produto por metade do preço de loja. "Queremos que vítimas inocentes da pirataria tenham um tratamento bom", disse Mike Sievert, vice-presidente corporativo do grupo de marketing da Microsoft.
O WGA coleta diversas informações sobre o PC, inclusive o número serial do disco rígido e o endereço de IP, mas Sievert diz que nenhuma destas informações podem ser utilizadas para identificar usuários individualmente.

EVENTO DA RURAL NO CAMPUS NOVA IGUAÇU/RJ

Para ampliar clique na imagem.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

COTISTAS RACIAIS NÃO PREENCHEM TODAS AS VAGAS RESERVADAS À 2ª FASE DO VESTIBULAR DA UFPR

Este realmente é um problema sério que tem acontecido em diversas unviersidades que tem ações afirmativas raciais. Falta pesquisas e análises pontuais de cada realidade para apontar algumas soluções.
Depois de uma olhada rápida na internet dá pra encontrar três textos sobre a UFPR e um da UNICAMP. Mais pra frente postaremos mais coisas sobre a UNICAMP, pois esta tese é muito boa e faz pensar em muitas coisas sobre a implementação recentes das ações afirmativas.


  1. ENTRE O PREVISÍVEL E O CONTINGENTE: ETNOGRAFIA DO PROCESSO DE DECISÃO SOBRE UMA POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA
  2. A IMPLANTAÇÃO DO “PLANO DE METAS DE INCLUSÃO RACIAL E SOCIAL” NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
  3. INCLUSÃO E PERMANÊNCIA DE ESTUDANTES INDÍGENAS NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO NO PARANÁ ­ REFLEXÕES

A tese abaixo também é muito interessante

  1. ANÔNIMOS E INVISVEIS OS ALUNOS NEGROS NA UNICAMP

Retirado do site NOTA 10 - NOTÍCIAS DIÁRIAS DE EDUCAÇÃO

A maioria dos 13.432 candidatos aprovados para a 2.ª fase do vestibular da Universidade Federal do Paraná (UFPR) são homens (51,38%), com idade entre 18 e 20 anos (65,48%), nascidos no Paraná (73,42%) e residentes em Curitiba (65,15%). Os dados foram repassados ontem, durante coletiva de imprensa, pelo reitor da universidade, Carlos Augusto Moreira Júnior. E mais uma vez os cotistas raciais não preencheram todas as vagas reservadas ao grupo.
Entre os 1.875 candidatos inscritos para uma das 822 vagas reservadas para cotistas raciais, apenas 370 conseguiram aprovação para a 2.ª fase. Moreira Júnior comenta que pela primeira vez existirá um intercâmbio entre as categorias para preencher as vagas. "Ao todo, 332 vagas serão disputadas pelos cotistas sociais e aproximadamente outras 120 pelos não cotistas. No caso dos cotistas raciais, se queremos realmente ampliar a participação deles na universidade precisamos seguramente aumentar o número de inscritos", afirma.
Eles farão provas nos próximos dias 9 e 10: no domingo, as provas serão realizadas em 12 locais de provas, no horário das 14h às 19 horas; na segunda-feira, serão sete locais de provas, no horário das 14h às 16h30 para quem faz uma prova específica e das 14h às 19 horas, para aqueles que fazem duas provas específicas.
O resultado das provas da segunda fase deve ser divulgado até o dia 14 de janeiro. O reitor da UFPR alerta que diferentemente de outros anos, os nomes dos aprovados deve realmente ser anunciado em uma data próxima à estipulada. "Pela primeira vez, todas as perguntas serão discursivas. Esperamos que a correção seja um pouco mais prolongada. Leva mais tempo, mas por outro lado, avalia melhor os candidatos", explica.

MULHER NEGRA TÊM HITÓRIA

Só faltou encontrar imagens delas, mas a busca da net não rendeu frutos. Fica pra outra vez.
Maria Conga, líder dos Quilombos de Magé no RJ

Em Piedade ainda existe um túnel escavado pelos escravos com acesso ao Morro de Maria Conga e neste morro há um cemitério onde a quilombola Maria Conga foi sepultada em 05 de outubro de 1895 .Na época contava com 95 anos de idade .O Quilombo liderado por Maria Conga enfrentava jagunços e capitães do mato que pretendiam resgatá-los para o trabalho escravo.Maria Conga, ao cair nas mãos de um senhor de escravo disse: "O senhor prendeu meu corpo, destruiu meus sonhos, mas não conseguiu alienar minha consciência de mulher negra". http://www.sinttelrio.org.br/03zumbi.htm

Dandara -seu nome significa "a mais bela"

Diz a tradição oral que foi a primeira e única mulher de Zumbi dos Palamares ,que com ele teve três filhos. Dandara era guerreira valente e auxiliou muito Zumbi quanto às estratégias e planos de ataque e defesa de Palmares. Suicidou-se em seis de fevereiro de 1694, jogando-se da pedreira mais alta de Palmares, que ficava nos fundos do principal mocambo - a Cerca dos Macacos - quando da queda do Quilombo de Palmares para não voltar na condição de escrava. Ela representa até hoje liberdade e igualdade
http://www.centrodandara.org.br/feminismo/Dandara.htm

Luísa Mahin princesa guerreira e mãe de outro guerreiro da liberdade

Luísa Mahin era princesa, na África. Nasceu no início do século XIX. Pertencia à tribo Mahi, da nação africana Nagô, praticantes da religião islâmica, conhecidos no Brasil como Malês.Embora se desconheça a sua origem, tendo vivido em Salvador, na Bahia, foi alforriada em 1812. Afirmava ter sido De sua união com um fidalgo português, nasceu Luís Gama. Aos cuidados do pai, dissipador, a criança, então com dez anos de idade, foi vendida ilegalmente como escrava, para quitar uma dívida de jogo.

Luísa esteve envolvida na articulação de todas as revoltas e levantes de escravos que sacudiram a então Província da Bahia nas primeiras décadas do século XIX. Quituteira de profissão, de seu tabuleiro eram distribuídas as mensagens em árabe, através dos meninos que pretensamente com ela adquiriam quitutes. Desse modo, esteve envolvida na Revolta dos Malês (1835) e na Sabinada (1837-1838). Caso o levante dos malês tivesse sido vitorioso, Luísa teria sido reconhecida como Rainha da Bahia.

Descoberta, foi perseguida, logrando evadir-se para o Rio de Janeiro onde foi encontrada, detida e degredada para Angola, na África. Não existe, entretanto, nenhum documento que comprove essa informação.

Alguns autores acreditam que ela tenha conseguido fugir, vindo a instalar-se no Maranhão, onde, com a sua influência, desenvolveu- se o chamado tambor de crioula.

Em suas notas biográficas, o poeta e abolicionista Luís Gama, registrou acerca de sua mãe:

"Sou filho natural de negra africana, livre, da nação nagô, de nome Luísa Mahin, pagã, que sempre recusou o batismo e a doutrina cristã. Minha mãe era baixa, magra, bonita, a cor de um preto retinto sem lustro, os dentes eram alvíssimos, como a neve. Altiva, generosa, sofrida e vingativa. Era quitandeira e laboriosa."

Em outros versos do autor indica-se que Luísa Mahin teve mais um filho, cujo destino é ignorado.
Fonte www.casadeculturadamulhernegra.org.br ou http://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADsa_Mahin

POLÍTICA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS


Para acessar clique na imagem acima ou neste link alternativo.

Folder sobre tráfico de pessoas no Brasil. Para baixar em PDF clique na imagem acima ou neste link alternativo.



Publicação Novas Ferramentas de Combate ao Tráfico de Pessoas (PDF em inglês). Clique na imagem para baixar.O Tráfico de Pessoas: Tendências Globais, 2006 (PDF em inglês). Clique na imagem para baixar.

COMO LIGAR GRÁTIS PARA QUALQUER TELEFONE FIXO DO BRASIL

Retirado do BLOG Os Sem Banda Larga. A dica ainda não foi testada, mas vindo deste Blog tem quase 100% de chance de dar certo, custa nada tentar .

Ligue Grátis para qualquer número de telefone fixo no Brasil, usando seu próprio telefone fixo, nao precisa de ATA, Softphone, Banda-Larga.

VISITE O SITE http://www.yollamogratis.com.ar (Em Espanhol)
SERVIDOR ALTERNATIVO:http://www.icallfree.com.ar/ (Em Inglês)

Selecione Brasil e Digite Cod de área + Seu Telefone FixoExemplo: 11 30002020

Digite na Segunda caixa o Selecione o País e Digite o Cod de área + Telefone Fixo a ser chamadoExemplo: 11 20004040

No máximo de 5 Minutos por ligação, 3 Ligação por conexão (Caso seu IP seja dinâmico, reconecte com a internet e repita o processo de ligação)

Países de Ligação Gratuita:
Alemania
Argentina
Australia
Austria
Bahrein
Bélgica
Bolivia
Brasil
Bulgaria
Canada
Chile
Chipre
Colombia
Dinamarca
Eslovenia
España
Estados Unidos(+celularl)
Estonia
Federación Rusa
Finlandia
Francia
Grecia
Hungría
Irlanda
Italia
Japón
Corea Del Sur
Latvia
Luxemburgo
Malasia
México[México]
México[monterrey]
México[Guadalajara]
Hong Kong(+móvil)
Monaco
Noruega
Nueva Zelandia
Países Bajos
Panama
Perú
Polonia
Portugal
Puerto Rico (+celular)
Reino Unido
Republica checa
Republica Eslovaca
Rumana
Singapur
Suecia
Suiza
Tailandia
Taiwan
Venezuela

Chega de gastar dinheiro com Interurbanos, chega de alimentar a máfia das companhias de DDD

SITE: http://www.yollamogratis.com.ar

RESUMINDO:Você digita todos os dados direitinho. Quando vc clika em "Call!", o seu telefone (1º numero que vc digitou) toca. Vc atende e, dentro de alguns segundos, toca o telefone da pessoa que vc ligou (2º numero que vc digitou ).

OBS: Não esqueça do DDD da sua cidade.
Ex: 11 12345678 (Não ponha "zero" no DDD)

VEJA TV NO COMPUTADOR DE GRAÇA

Skat - software de tv online
(AVISO: precisa de uma banda bemmm largaaaa para poder ver)

Retirado do BLOG interney

O Skat é um software gratuito para assistir canais de televisão online e ouvir rádios pela internet, via streaming.

O instalador do Skat possui 1.43MB e é desenvolvido para Windows 98/Me/2000/XP, segundo seu desenvolvedor, NETIWARE Media, o software ainda não funciona bem no Vista, neste teste foi usado o Windows XP SP2.



Após a instalação o sistema foi vasculhado com o Spybot e nenhum spyware foi encontrado. O programa mantém-se gratuito através da exibição de banners publicitários.



Após a instalação o sistema foi vasculhado com o Spybot e nenhum spyware foi encontrado. O programa mantém-se gratuito através da exibição de banners publicitários.
O programa é fácil de instalar e operar, fornece acesso atualmente a 32 canais divididos da seguinte forma:

Variedades: Band, Record, allTV, Rede TV, Terra, Shoptime, Just TV, Fox 5, Fox 8.
Esportes: ESPN, Band Sports, KS Combate.
Informação: CNN, Band News, Tv Cultura, Tv Climatempo, Bloomberg, Tv Câmara.
Videoclipes: MTV, tunespoon, Rock TV
Rádios: 89.1 FM, Rádio Rox, Rede Blitz, Jovem Pan, KNAC, Antena 1
Adultos: 5 canais que podem ser bloqueados através de senha.


Basta clicar em cima do canal desejado para iniciar a exibição. O Skat funciona apenas como um indexador de streamings, ele não transmite nenhum destes programas. A transmissão de cada canal e respectiva programação é de inteira responsabilidade das estações e/ou entidades re-transmissoras. Isso explica a ausência de alguns canais, como Globo por exemplo, já que essas operadoras não transmitem seus programas abertamente na internet.

Alguns canais, provavelmente por problemas técnicos das emissoras, ficam fora do ar em alguns momentos do dia, em testes realizados à tarde por exemplo o canal KS Combate encontrava-se inoperante, voltando a funcionar algumas horas depois.

Outra postagem sobre TV do Blog interney

TV na internet

Num passado não muito distante (ou melhor, em termos de web 4 anos é muito tempo sim) eu publiquei uma notinha comentando sobre um site com programação online 24 horas, programas em vídeo exclusivos pra web. Não era algo tão comum assim naquela época. O site ainda está no ar, é o All TV, mas de lá pra cá a internet foi inundada por programas de televisão transmitindo seu streaming ao vivo ou permitindo que você assista aos vídeos posteriormente (on demand).
De lá pra cá eu já escrevi sobre a Globo.com no começo de 2003, sobre Sopcast x Globo.com na Copa de 2006, Joost x SopCast no começo desse ano. Mas faltava um post mais amplo, porque hoje existe muito mais TV pela internet do que Joost, Sopcast, All TV e Globo.com.
Falando de programações exclusivas, todos os portais possuem conteúdo de vídeo, por exemplo:

Show IG
TV UOL
Terra TV
FizTV
TVirgula

Se você quiser assistir os canais brasileiros, a maioria deles ao vivo, alguns sites organizam os streamings disponíveis como o:

wwiTV com 73 canais brasileiros
TVTuga com 75 canais brasileiros

Além disso eles dão dicas (em inglês e em português) sobre os principais softwares necessários para assistir TV no seu computador, que são:

Windows Media Player
Real Player
Adobe Flash Player
Sopcast
Octoshape
TVU

Se você prefere a produção caseira além do velho conhecido YouTube existe uma série de opções interessantes como:

Atom Films
Atom Uploads
Break.com
Brightcove
Crackle
Daily Motion
Google Video
iFilm
Metacafe
Myspace
Revver
Veoh
vSocial
Yahoo Vídeo

Se você ficou perdido com tantos endereços, pode usar um site de buscas para vídeos como o Vidmeter que também organiza listas de mais assistidos por dia, semana, mês e assuntos, ou o Blinkx que além da pesquisa permite que você organize um videowall com os resultados em um widget e adicione ao seu blog.

LIBERDADE DE IMPRENSA NÃO É CONSENSO EM TODOS OS PAÍSES

Retirado do site do Observatório da Imprensa

Noção de liberdade de imprensa é relativa

Por Leticia Nunes (edição), com Larriza Thurler em 11/12/2007
Uma imprensa livre é essencial para uma sociedade livre, certo? Pesquisa realizada pelo instituto canadense GlobeScan em 14 países descobriu que esta noção não é tão forte quanto se poderia pensar. Entre os entrevistados, apenas 56% acreditam que a liberdade de imprensa é algo muito importante para uma sociedade democrática; 40% disseram que a manutenção da harmonia social é mais importante, mesmo que para isso a liberdade da imprensa seja minada. "Enquanto as pessoas geralmente apóiam uma mídia livre, a visão ocidental da necessidade de uma imprensa livre para garantir uma sociedade justa não é compartilhada em todo o resto do mundo", afirma Doug Miller, diretor do instituto.
A pesquisa também tratou da confiança do público em veículos de comunicação, e viu que novamente as opiniões diferem bastante entre um país e outro. Países como Rússia, Alemanha, Reino Unido e EUA ficaram entre os que têm uma imprensa considerada menos confiável, enquanto a imagem da mídia em países como Índia, Nigéria, Emirados Árabes Unidos e Quênia é bem mais fortalecida. Curiosamente, em países ocidentais desenvolvidos a confiança tende a ser menor.

Concentração
Avaliou-se que a confiança em uma cobertura honesta e precisa é basicamente igual entre veículos públicos e privados. Em alguns países, entretanto, há uma grande preocupação com relação à concentração de propriedade de mídia. Brasil (80%), México (76%), EUA (74%) e Reino Unido (71%) estão entre os países em que há maior temor de que a concentração de veículos de comunicação nas mãos de um mesmo dono cause risco de parcialidade política na cobertura.
A pesquisa entrevistou 11.344 pessoas entre os meses de outubro e novembro e foi realizada como parte das comemorações do 75º aniversário do serviço internacional BBC World, da rede britânica BBC. Os países participantes foram Reino Unido, Brasil, Egito, Índia, Alemanha, México, Quênia, Nigéria, Rússia, Venezuela, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, EUA e Cingapura. Informações da AFP [9/12/07].

TENSÕES NA TITULAÇÃO DE TERRAS DE QUILOMBOLAS

Retirado do site da AFROPRESS

Governo recua, dizem entidades
Por: Redação - Fonte: Afropress - 9/12/2007

Brasília - A nova Instrução Normativa que o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) pretende baixar modificando a Instrução em vigor desde 2.005 (a de nº 20/2005) representa um recuo do governo brasileiro no reconhecimento dos direitos das comunidades quilombolas já assegurados pela Constituição. Segundo lideres das comunidades remanescentes de Quilombos, e de entidades como a Comissão Pró-Indío de São Paulo e Justiça Global, as mudanças pretendidas pelo Governo atendem aos interesses do setor ruralista e de algumas corporações multinacionais, que tem desencadeado uma verdadeira guerra contra os direitos das comunidades.Entre outros boatos, como parte da campanha desencadeada contra direitos históricos dessas populações, os fazendeiros estão espalhando que os quilombolas reivindicam 25% do território brasileiro e que as terras seriam tomadas de fazendeiros e empresas sem o processo de desapropriação.

Retrocesso
A nova instrução inviabiliza, na prática, a titulação das terras de Quilombo ao instituir uma série de novos entraves burocráticos no procedimento administrativo, como estudos extensos, dispendiosos e demorados, e maior espaço para as contestações de terceiros. O Incra está submetendo a nova Instrução a uma consulta pública, até o dia 17 deste mês, porém, essa atitude também é criticada. “A chamada “consulta”, convocada de última hora pela Advocacia Geral da União, não se configura como um verdadeiro processo participativo e democrático. Os quilombolas estão sendo convocados no final do processo de revisão da instrução que se desenrola há pelo menos dois meses apenas para referendar um texto já acabado", afirma manifesto que está sendo divulgado.Para tentar reverter a situação, entidades como o Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos e Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, além do Balcão de Direitos da Universidade Federal do Espírito Santo, estão pedindo que sejam enviadas mensagens à Ministra Dilma Rouseff, da Casa Civil, a José Antonio Dias Toffoli, da Advocacia Geral da União, e ao Presidente do Incra, Rolf Hackbart, protestando pela medida e pedindo a manutenção da Instrução Normativa em vigor. As mensagens deverão ser encaminhadas com cópias para terra-quilombo@ cpisp.org. br

Veja as entidades e os endereços eletrônicos das autoridades

Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos
cohreamericas@cohre.org
Comissão Pró-Índio de São
Paulocpisp@cpisp.org.br
Justiça Global
global@global.org.br
Koinonia Presença Ecumênica e Serviço
territoriosnegros@koinonia.org.br
Rede Social de Justiça e Direitos Humanos
rede@social.org.br
Balcão de DireitosUniversidade Federal do Espírito Santo
balcaodedireitoses@yahoogrupos.com.br

Dilma Vana Rousseff Ministra-Chefe da Casa Civil
casacivil@planalto.gov.br

Josi Antonio Dias Toffoli Advogado Geral da União
fax: (61) 3344-0243
gabinete.ministro@agu.gov.br

Rolf Hackbart Presidente do Incra
rolf.hackbart@incra.gov.br

IDH BRASIL É ALTO, MAS O DE NEGROS APENAS MÉDIO, DIZ PAIXÃO

Matéria retirada do site AFROPRESS

Para ter acesso a relatório do IDH 2007 clique aqui. Para ver postagem antiga do Aldeia Griot sobre o IDH e a questão do racismo, pobreza e violência clique aqui.



Por: Redação - Fonte: Afropress:
8/12/2007

Rio - Embora o governo tenha comemorado o fato de o Brasil ter entrado para o grupo de países com alto desenvolvimento humano (IDH), a população negra brasileira não saiu da situação de desvantagem histórica. Apesar da melhora em alguns indicadores como, por exemplo, os educacionais, o IDH branco é elevado e o dos negros continua sendo apenas médio.
Em alguns casos, como no rendimento domiciliar per capita, a desvantagem, inclusive, aumentou: passou de 15,7% para 17,8% favoravelmente aos brancos, no período de 10 anos – de 1.995 a 2005.
As conclusões são do professor Marcelo Paixão, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e constarão do Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil 2007-2008, a ser divulgado, e foram adiantadas com exclusividade para a Afropress. “Comparando com os indicadores analisados no ano 2000, no qual o hiato em termos de posições era de 60 posições, podemos considerar que ocorreu uma redução de 16 posições, o que é um fato positivo, especialmente por vir se dando dentro de um contexto de debate sobre o tema das ações afirmativas e de políticas de promoção da igualdade racial. Todavia, as distâncias nos respectivos IDHs permanecem pronunciadas”, ressaltou.
O IDH é um ranking do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e é utilizado para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir de indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula) longevidade (expectativa de vida ao nascer) e renda (PIB per capita). Seus valores variam de 0 (nenhum desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total). Países com IDH até 0,499 são considerados de desenvolvimento humano baixo; com índices entre 0,500 e 0,799 são considerados de desenvolvimento humano médio; e com índices maiores que 0,800 são considerados de desenvolvimento humano alto.
Pela primeira vez, o Brasil entrou para o grupo de países de "alto desenvolvimento humano", atingindo IDH de 0,800.

Silênciamento
Segundo Paixão, que é economista e coordena o Observatório Afro-Brasileiro, no contexto anterior de silenciamento absoluto sobre o tema, os indicadores das assimetrias raciais brasileiras raramente apresentavam reduções relativas. Entre 1995 e 2005, o IDH dos brancos brasileiros avançou 6,2% (de 0,798 para 0,847) ao passo que dos negros avançou 10,6% (de 0,691 para 0,764).
Assim, em 2005, o IDH branco o situaria na 47ª posição (melhor que o Brasil como um todo em 23 posições), entre a Croácia e a Costa Rica, ao passo que o IDH negro se situaria na 92ª posição, entre a Tunísia e as Ilhas Fidji (pior que o Brasil em 22 posições). “Como se pode constatar, o IDH branco é elevado, ao passo que o negro é apenas médio. Lido por outro ângulo, o IDH dos negros, em 2005, era inferior ao IDH dos brancos dez anos antes”, acrescenta.
O professor da UFRJ explica que aconteceu uma redução das assimetrias (diferenças) em termos de esperança de vida ao nascer cujas diferenças relativas se reduziram de 8,6% favoravelmente aos brancos em, 1.995, para 4,5%, em 2.005. Também em relação aos dados educacionais (analfabetismo e taxa bruta de escolaridade), as distâncias também se reduziram no período. “A taxa de alfabetização dos brancos acima de 15 anos de idade passou de 90%, em 1.995, para 93%, em 2.005. Já entre os negros a taxa de alfabetização de adultos passou de 76%, em 1.995, para 85%, em 2.005. A taxa bruta de escolaridade dos brancos entre 1.995 e 2.005 passou de 78% para 91%, e dos negros, no mesmo período de 68% para 84%.


BAIXE O MAPA DO RACISMO AMBIENTAL BRASILEIRO

A RBJA (Rede Brasileira de Justiça Ambiental) lança o documento (em PDF) Mapa do Racismo Ambiental. Fruto da pareceria com professores da UFF foi realizado, em novembro de 2005, o primeiro seminário sobre Racismo Ambiental do Brasil. Portanto este mapa é fruto deste encontro, além dos vídeos abaixo postados no youtube.

Para ir para o site e baixar o mapa clique na imagem ou clique aqui.


Abaixo os vídeos do seminário sobre Racismo Ambiental.





UNB AGORA VAI TER VAGAS RESERVADAS PARA ÍNDIOS

Consta na pagína do vestibular da UNB a seguinte informação:

A Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e a Fundação Universidade de Brasília (FUB), considerando o convênio firmado em 13 de maio de 2004, comunicam a realização de processo seletivo, em janeiro de 2007, destinado a selecionar candidatos indígenas para provimento de vagas nos cursos de graduação de Agronomia, Enfermagem e Obstetrícia, Engenharia Florestal, Medicina e Nutrição, oferecidos pela Universidade de Brasília (UnB).

Vagas
Agronomia: 2 Enfermagem e Obstetrícia: 2 Engenharia Florestal: 2 Medicina: 2 Nutrição: 2

Inscrições
Horário: As inscrições serão efetuadas pela Fundação Nacional do Índio, na sua sede, em Brasília, bem como nas suas Unidades Regionais, no período de 7 a 21 de dezembro de 2007.
Local: As inscrições serão recebidas pela Fundação Nacional do Índio, na sua sede, em Brasília/DF, bem como nas administrações executivas regionais ou núcleos de apoio locais (ver relação de endereços no Anexo I do comunicado de abertura).


Para ter acesso ao edital do site da UNB clique aqui ou neste link alternativo.

Recebido por email

Os indígenas que têm interesse em estudar na Universidade de Brasília (UnB) terão uma chance de disputar vagas exclusivamente destinadas a eles. As inscrições para o processo seletivo que faz parte de um convênio entre a UnB e a Fundação Nacional do Índio (Funai), firmado em 2004, estão abertas. Serão oferecidas 10 vagas, distribuídas entre os cursos de agronomia, enfermagem e obstetrícia, engenharia florestal, medicina e nutrição. Podem concorrer às vagas somente candidatos indígenas.,

Os interessados devem se inscrever na sede ou nas unidades da Funai até o dia 21. É preciso apresentar carteira de identidade, histórico escolar, declaração de conclusão do ensino médio, declaração de auto-reconhecimento (em que o estudante declara a etnia à qual pertence), entre outros documentos. No dia 10 de janeiro, será divulgada uma lista dos candidatos que concorrerão às vagas. Os estudantes serão submetidos a uma prova objetiva e uma redação. As avaliações serão aplicadas no dia 20 de janeiro nas cidades de Brasília, Fortaleza (CE), Maceió (AL), Porto Velho (RO), São Luiz (MA) e Vitória (ES). Mais informações www.cespe.unb. br ou 3448-0100.

JOAQUIM BARBOSA ESCOLHIDO BRASILEIRO DO ANO PELA ISTOÉ

Retirado do site Consultor Jurídico

Juiz do mensalão Joaquim Barbosa é escolhido Brasileiro do Ano
O ministro Joaquim Barbosa foi escolhido, pela revista IstoÉ, o ‘Brasileiro doAno’. Ele será homenageado em festa promovida pela revista no dia 10 dedezembro, em São Paulo.

Joaquim Barbosa ganhou notoriedade no país com a sua atuação à frente doinquérito do mensalão, grande escândalo político transformado em Ação Penal peloSupremo Tribunal Federal. Barbosa é o relator do processo, com 40 denunciados.Entre eles, José Dirceu, ex-chefe da Casa Civil.

Depois de cinco sessões e 30 horas de debates, os ministros do STF decidiramreceber a denúncia e Joaquim Barbosa foi aclamado pela mídia como heróinacional. Foi capa de duas revistas semanais e recebeu menções honrosas de umaterceira.

A IstoÉ também vai homenagear Guido Mantega, como destaque na Economia; EduardoBraga, no Meio Ambiente; Tarso Genro, na Política; e Ricardo Teixeira, nos Esportes.Revista Consultor Jurídico, 1 de dezembro de 2007

sábado, 8 de dezembro de 2007

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

UMA TESE E UM ARTIGO SOBRE AS AÇÕES AFIRMATIVAS

Desde 5 de novembro é postado nenhum arquivo sobre Ações Afirmativas. Para quebrar este jejum temos dois documentos fresquinhos para baixar.
O primeiro é a tese do doutor em sociologia (UNB) Sales Augusto intitulada:
Movimentos negros, Educação e Ações Afirmativas,
o segundo é o artigo de acompanhamento das Ações Afirmativas do Nirema (Puc-rio), intitulada:
Acompanhamento e Monitoramento das Políticas de Ação Afirmativa nas Universidades Brasileiras
Para acessar os dois documentos clique nos titúlos. Abaixo dois gráficos retirados da pesquisa do Nirema, para ampliar clique nas imagens


JUSTIÇA PERMITE QUE BRANCO CONCORRA A VAGAS PARA NEGROS

Retirado do site G1. Para ler diretamente no site clique aqui.

30/11/2007 - 19h48 - Atualizado em 30/11/2007 - 19h51
A decisão foi tomada em Florianópolis, para o vestibular da UFSC.Juiz entendeu que reserva de vagas viola o princípio da igualdade.
Do G1, em São Paulo
entre em contato

Um candidato ao curso de Geografia no vestibular da Universidade Federal de Santa Catarina (
UFSC ) conseguiu na Justiça o direito de concorrer a todas as vagas em disputa no processo seletivo, incluídas aquelas reservadas aos candidatos negros. O vestibulando se autodeclarou branco na ação.O juiz Carlos Alberto da Costa Dias, da 2ª Vara Federal de Florianópolis, em uma decisão proferida nesta quinta-feira (29), considerou que a reserva de vagas da universidade viola o princípio constitucional da igualdade. A sentença tem efeitos apenas em relação ao autor da ação e a UFSC pode recorrer.

"Outros candidatos podem conseguir o mesmo benefício desde que entre com ações. A decisão já é final, mas a universidade pode recorrer ao TRF-4 [Tribunal Regional Federal da 4ª Região, no Rio Grande do Sul]", disse o juiz ao G1.

O estudante impetrou mandado de segurança contra a universidade, alegando que a reserva de vagas seria ilegal e abusiva. De acordo com resolução do Conselho Universitário de 10 de julho, para execução da “ação afirmativa de acesso aos cursos de graduação”, 30% das vagas do vestibular 2008 são reservadas, sendo 20% para candidatos que cursaram o ensino fundamental e médio integralmente em escolas públicas e 10% para candidatos que se declararam negros e estudaram na rede pública.

“A supressão de vagas ao ‘não-negro’ viola o princípio constitucional da igualdade, sem que haja real fator para privilegiar o denominado ‘negro’, em detrimento do denominado ‘não-negro’”, afirmou Costa Dias.
Na sentença, o juiz entende que é possível reservar vagas para grupos sociais desde que a argumentação seja pertinente, como acontece no caso de pessoas com deficiências em concursos públicos. Entretanto, “o fator de discrímen, para não ser arbitrário e, portanto, inconstitucional, deve ser pertinente, guardar relação de causa e efeito, ser determinante, explicar o motivo por que se considera aquele grupo ou categoria inferior”.
Segundo o magistrado, o maior obstáculo ao acesso do negro ao ensino superior não seria a condição de negro, “mas o fato de o ensino público anterior ao vestibular ser de má-qualidade e a sua condição social, eventualmente, não possibilitar dedicação maior aos estudos, ou outros fatores que devem ser melhor estudados e debatidos”. O juiz também se refere ao sistema norte-americano de ação afirmativa, dizendo que o modelo não pode ser aplicado à realidade brasileira.

Para Costa Dias, não é possível identificar com precisão quem é negro no Brasil. “Diferentemente do que ocorre nos Estados Unidos da América, a miscigenação entre os denominados ‘brancos’ e ‘negros’ torna a identificação por fenótipo absolutamente inconsistente”. Ele diz ainda que, “Se há dívida social – como de fato há – não é exclusivamente com o negro, mas com toda a universalidade dos que estejam socialmente em desvantagem”.

O G1 tentou contato com a UFSC para saber se a instituição pretende recorrer, mas ninguém foi localizado na universidade.

» escreva o seu comentário» leia todos os comentários (274)

Mths04/12/200711h08
As cotas deveriam existir por condição social, renda. E além disso, cursos mais caros, como Medicina deveriam ser interpretados de outra forma, inclusive pelo PROUNI. A forma que está sendo interpretada é: Se você pode pagar um curso de enfermagem, por que não pode pagar um de medicina? :S

Ricardo03/12/200712h20
Não é uma medida populista e sim uma medida emergencial, pois as diferenas sociais entre negros e brancos é gritante, basta observar o dados do IBGE divulgados. Com certeza só a cota para o negros não resolve o problema. O governo tem q investir em educação, mas os resultados são a longo prazo.

Mths03/12/200712h08
As cotas só são certas p/ quem não está se matando de tanto estudar para passar em um vestibular de medicina, com 50 candidatos por vaga... enquanto os negros infrentam 8,10 c/v...como nosso amigo disse, os negros sensatos encaram isso como uma ofensa...Todos temos a mesma capacidade de pensamento


» leia todos os comentários (274)

ESCOLAS PARTICULARES DE SC ENTRAM NA JUSTIÇA CONTRA COTAS NA UFSC

Retirado do site G1. Para ler diretamente no site clique aqui.

04/12/2007 - 16h46 - Atualizado em 04/12/2007 - 16h56
Sindicato questiona a reserva de vagas para estudantes de escolas públicas.Para entidade, governo precisa melhorar a educação básica e não criar cotas.

O Sindicato dos Estabelecimentos Privados de Ensino de Santa Catarina (Sinepe/SC) entrou com uma ação coletiva na Justiça Federal para tentar reverter as cotas destinadas para alunos de escolas públicas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A partir deste ano, a universidade reserva 30% das vagas para vestibulandos cotistas: 20% delas para alunos que cursaram o ensino médio integralmente na rede pública e 10% para estudantes negros que também estudaram na rede pública.

Segundo Marcelo Batista de Sousa, professor e presidente do Sinep/SC, o objetivo da ação é garantir o direito de igualdade na disputa pelas vagas no vestibular entre todos os alunos, sejam eles de escolas públicas ou não. "Os alunos de escolas privadas como cidadãos brasileiros vão competir em desvantagem. Nós queremos que a Constituição Federal seja respeitada. Não há jurista ou políticas afirmativas que convençam os professores de que reservar cotas não é uma forma de discriminação", disse.

Na opinião de Sousa, o país precisa estruturar políticas na área de educação, que melhorem a qualidade do ensino público no Brasil e não criar cotas nas universidades. "Não podemos tapar o sol com a peneira. Vamos ter médicos e engenheiros formados por causa das cotas e não por mérito. Se o ensino público é ruim, temos que arrumar a base e não dar um jeitinho para o aluno de escola pública entrar na faculdade", avalia o professor.

O G1 entrou em contato com a universidade, mas não obteve retorno. Segundo a assessoria de imprensa, a única pessoa autorizada a falar sobre o assunto é o professor Edmir Castro, presidente da Comissão Permanente do Vestibular (Copeve), mas ele estava em reunião fora da universidade.

A ação corre na 1ª Vara Federal de Florianópolis e o processo foi remetido para manifestação do Ministério Público Federal (MPF).

Aluno conseguiu na Justiça
Na semana passada, o vestibulando branco Tiago Duarte do Nascimento, 17, conseguiu na Justiça catarinense o direito de concorrer a todas as vagas do vestibular da UFSC, inclusive as reservadas para cotistas negros.

Divulgação/Arquivo Pessoal
Tiago conseguiu na Justiça o direito de
concorrer a vagas de cotas (Foto: Arquivo pessoal)
Tiago, que presta vestibular para o curso de geografia na UFSC, ingressou na Justiça Federal em Florianópolis com um mandado de segurança contra a instauração das cotas na universidade federal do estado e conseguiu do juiz uma sentença a seu favor. A UFSC ainda pode recorrer. O magistrado Carlos Alberto da Costa Dias, da 2ª Vara Federal de Florianópolis considerou que a reserva de vagas da universidade viola o princípio constitucional da igualdade. A sentença tem efeitos apenas em relação ao autor da ação.


J F Alff05/12/200717h11
Quando futuramente estudado por Historiadores , o Governo Lula será caracterizado por aquele que mais fez para a instigação do conflito racial no País por dar espaço e poder ao pior tipo de recalcado que existe : O RECALCADO RACIAL !!!!!

Renato05/12/200716h02
Eu não gosto de políticas tapa-buraco, mas é de extrema ingenuidade afirmar que quem ´Entra´ na faculdade vai ´Sair´ formado dela. É quase como considerar que quem passou no vestibular, vai conseguir diploma. Então não vão ter Médicos, Advogados ou Engenheiros mal formados por causa de cotas.


Rodrigo05/12/200713h41
Do que adianta o cara não ter uma boa formação média e ir fazer faculdade. É um concurso para selecionar os MELHORES e não os mais NECESSITADOS. quem vai querer um professor, médico ou advogado mal formado. e os caras que estudaram na escola particular querem estudar em uma instituição renomada.
» leia todos os comentários (41)



Saiba mais
» Justiça permite que vestibulando branco concorra a vagas para negros
» 'Quero ensino para todos', diz branco que pode concorrer em cotas para negros
» UFSC destinará 30% das vagas para cotistas
» Unesp estuda criar vagas para rede pública
» UnB muda sistema de cotas para negros
» Universidade pública do Paraná terá cotas
» Justiça determina 50% de cotas nas federais de Minas
» Uneb anuncia cotas para indiodescendentes
» Ufes adota cotas para estudantes de escolas públicas
» Federal de Santa Maria aprova sistema de cotas
» UFRGS aprova implantação de cotas no vestibular

ESTUDANTE CONSEGUE O DIREITO DE SE MATRICULAR COMO COTISTA

Retirado do site G1. Para ler diretamente no site clique aqui.

04/12/2007 - 19h08
Jovem não tinha satisfeito uma das condições para concorrer às vagas reservadas.Ela não havia cursado o ensino médio integralmente em escola pública.


Uma estudante do Pará conseguiu o direito de se matricular como cotista no curso de zootecnia da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra). De acordo com o processo, cujo ingresso na Justiça ocorreu em 2005, a jovem não havia cursado integralmente o ensino médio em escola pública, condição exigida pela instituição para quem concorria às vagas reservadas. A decisão foi publicada no dia 23 de novembro e a universidade pode recorrer.

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, em Brasília, entendeu que o princípio do sistema de cotas é dar acesso à educação a quem não tem condições, o que seria a condição da estudante.

A Ufra explicou no processo que, de acordo com o seu regimento interno, entende como alunos oriundos de escola pública todos os que cursaram o ensino médio completo em escolas públicas, o que não seria o caso da estudante.
O desembargador federal João Batista Moreira acentuou que, mediante interpretação de lei, se deve “assegurar à estudante, no caso específico, direito à matrícula, sobretudo se considerado o objetivo do sistema de cotas que é facilitar o acesso à educação a alunos hipossuficientes”.

Diz ainda que a estudante de fato enfrentou as dificuldades do ensino público, cursando dois terços do ensino médio em colégio público. Também contou a favor da estudante, ter ela concluído o ensino médio antes da implantação do sistema de cotas na Ufra, pois, demonstrou não ter tido a intenção de burlar o sistema. O G1 entrou em contato com a Ufra para saber se a instituição pretende recorrer da decisão.

LANÇAMENTO LIVRO INTOLERÂNCIA RELIGIOSA. IMPACTOS DO NEOPENTECOSTALISMO NO CAMPO AFRO-BRASILERIO


FOTOS DE ATO POLÍTICO NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DA BAHIA

Recebido mais fotos da atividade da 3ª caminhada por email e postando. A referência das fotos está abaixo. Para acessar as fotos clique na imagem.

Fotos: 269 - 33 MB
05/11/2007 Público
O evento que abriu as ações relacionadas à III Caminhada do Povo de Santo foi um ato político na Assembléia Legislativa que reuniu mais de 500 pessoas representando religiões de matriz africana e comunidades do interior da Bahia e de Salvador. Além da presença de alguns representantes nacionais que logo depois participariam do seminário e da caminhada.

FOTOS DA III CAMINHADA DO POVO DE SANTO

Recebido por email e divulgando. Para acessar as fotos clique na imagem, abaixo as referências das fotos.

III Caminhada do Povo de Santo
Salvador, BahiaFotos: 431 - 64 MB
09/10/2007 Público
A III Caminhada do Povo de Santo, organizada pelo Coletivo de Entidades Negras, ocorreu em Salvador no dia 25 de novembro e reuniu mais de cinco mil pessoas num protesto contra a intolerância religiosa em nosso país.

Detalhes sobre este evento foram postados no Aldeiagriot nos links abaixo:

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007
3ª CAMINHADA PELA VIDA E LIBERDADE RELIGIOSA

Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Lançamento da 3ª Caminhada pela Vida e Liberdade Religiosa

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

SEMINÁRIO NACIONAL COMBATE A DISCRIMINAÇÃO

Em comemoração ao Dia Nacional dos Direitos Humanos


10 de dezembro de 2007 - segunda-feira
Abertura - 09hCarlos Ivan Simonsen Leal - Presidente da FGV

Primeira Mesa - 09h20min
O que é a Discriminação: As Diversas Faces da Discriminação Laís Wendel Abramo - Representante da OIT Célio Borja - Ministro da Justiça (1992)
Discriminação: manifestações na Cultura e na literatura brasileiraAffonso Romano de Santa'nna - Doutor de Letras Valter Sinder - PUC/RJ (Formação Literatura e Antropologia)

Segunda Mesa - 11h
Racismo - Uma Múltipla VisãoDavid Santos - Conselheiro da Educafro - Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes

Terceira Mesa - 14h
Raças - A Visão da CiênciaMarcos Palatnik - Doutor em Ciências (Genética), Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Genética (1992-1994) Maria Cátira Bortolini - UFRGS (a confirmar)

Quarta Mesa - 16h
O debate sobre as ações afirmativas e a questão das cotas nas universidades: A busca de um ReferencialSales Augusto do Santos - Professor da UnBMauricio Mota - Diretor da Faculdade de Direito UERJNelson Mello Souza - Sociólogo - Chanceler da Estácio de SáAdriano Pillati - Diretor do Departamento de Direito da PUC-RJAugusto Sampaio - Reitor Comunitário e Coordenador do Plano de Inclusão na PUC Rio


11 de dezembro de 2007 - terça-feira

Quinta Mesa - 09h00min
Discriminação de portadores de necessidades especiaisTânia Maria Lessa Athayde Sampaio - Presidente da Federação das APAEs do Rio de JaneiroLeda de Azevedo - Secretária Municipal da Pessoa com Deficiência - Prefeitura do RJ
Discriminação de idososSergio Telles Ribeiro Filho - Presidente da Associação de Geriatria do Rio de JaneiroCélia Caldas - Vice-Diretora da UnATILília Ladislau - Gerente adjunta da Gerência de Estudos e Programas da Terceira Idade do SESC-SP

Sexta Mesa - 10h45min
Discriminação e Gênero no Trabalho Eunice Léa de Moraes - Assessora da Secretaria Especial de Políticas para as MulheresDeise Benedito - Presidenta da Fala Preta Organização de Mulheres Negras/EducafroFátima Bayma - Professora FGV
Discriminação no mercado de trabalhoOtavio Brito Lopes - Procurador Geral do TrabalhoJoão Batista Berthier Leite Soares - Procurador Regional do Trabalho da 1ª Região - RJMarcelo Néri - Professor FGVPalestra de encerramento - manhã Carlos Luppi - Ministro do Trabalho

Sétima Mesa - 14h30min
Discriminação por Origem Social : Possibilidades de ascenção social José Jairo Vieira - UFRJRafael Osório - UNDPSergei Soares - IPEAAli Kamel - Jornalista (a confirmar)

Oitava Mesa - 15h
Discriminação Religiosa Don Affonso Felippe Gregory - A Visão CatólicaSérgio Margulies - A Visão JudaicaHédio Silva - A Visão das Religiões Afros

Nona Mesa - 16h
Políticas Públicas: Combatendo o Preconceito, a Discriminação e a Desigualdade Jesus Hortal - Reitor Puc-Rio de Janeiro (a confirmar)Alcebíades Sabino - Secretário do Trabalho RJ Wadih Nemer Damous Filho - Presidente da OAB/RJJosé Jorge - Antropólogo Verena Alberti - Professora FGVIstvan Kasznar - Professor FGV